STARTUPS

Ventiur dobra equipe

04/04/2022 08:26

Aceleradora sediada em Porto Alegre está construindo uma presença nacional.

Sandro Cortezia, CEO da Ventiur. Foto: Divulgação.

Tamanho da fonte: -A+A

A Ventiur, uma aceleradora de startups sediada em São Leopoldo, na região metropolitana de Porto Alegre, vai dobrar sua equipe, contratando 20 profissionais.

A lista de oportunidades inclui posições remotas de head para áreas de seleção de startups e marketing, mas também oportunidades focadas em Toledo, no interior do Paraná, ou para estados como Tocantins, Maranhão e Amapá.

A Ventiur também acaba de inaugurar um escritório em São Paulo, dentro da sede da Stefanini, que é investidora na aceleradora. Como fica claro, a Ventiur quer solidificar uma presença nacional em 2022.

Criada em 2013, a Ventiur já avaliou mais de 3 mil startups em todos estados brasileiros e investiu em mais de 70 negócios inovadores, avaliados hoje em mais de R$ 400 milhões.

Até agora, porém, a aceleradora tinha mais visibilidade no Rio Grande do Sul, onde atua por meio de convênios com universidades reconhecidas como Feevale, UCS, PUC-RS, UFRGS e Unisinos. 

O estado é também a origem de 70% dos 255 investidores que fizeram aportes de entre R$ 50 mil e R$ 250 mil na aceleradora. Dentro das startups investidas, 62% são gaúchas.

De qualquer forma, a Ventiur não está começando do zero em nenhuma das regiões onde busca agora contratar profissionais.

Em São Paulo, a aceleradora foi selecionada pelo Sebrae-SP para capacitar 1 mil startups sobre captação de investimentos nos próximos dois anos. 

A Ventiur já fez um investimento em uma das empresas participantes: a Neo PTO, dona de uma tecnologia de inteligência artificial focada no campo de registro de patentes.

No norte do país, a Ventiur foi selecionada pelo Sebrae-AM para operar o Inova Amazônia, um programa voltado para aceleração de 50 empresas com produtos e tecnologias relacionadas com a região.

Em Toledo, no interior do Paraná, a Ventiur é a operadora de um veículo de investimento em startups com um capital total de R$ 5 milhões do Biopark, um parque tecnológico criado por Luiz Donaduzzi, fundador na Prati-Donaduzzi Medicamentos Genéricos, uma das maiores do segmento no país.

Só com o acordo com o Biopark e cotas reservadas para um novo grupo que está sendo lançado em parceria com o Tecnopuc, o parque tecnológico da PUC-RS, a Ventiur já captou neste primeiro trimestre cerca de  R$ 8 milhões, o mesmo valor captado durante todo o ano passado.

Com grandes empresas anunciando quase que semanalmente novos fundos voltados para startups na casa dos R$ 100 milhões, o valor disponível para investimentos na Ventiur é relativamente modesto, o que torna a expansão nacional ainda mais necessária.

“Existe capital sobrando para startups no Brasil hoje. O que nós precisamos fazer é analisar muitas empresas no país todo, para encontrar os empreendimentos promissores no nascedouro”, resume o CEO da Ventiur, Sandro Cortezia.

Além de chegar primeiro, a Ventiur quer também reforçar o seu posicionamento como “smart money”, aumentando a atratividade do seu dinheiro ao oferecer também amplas possibilidades de mentoria e networking.

Segundo destaca Cortezia, o aumento da quantidade de capital disponível é também uma oportunidade para a Ventiur, ao criar condições mais propícias para que a aceleradora venda suas participações, o que se chama no jargão de “fazer um exit”.

Vender as participações é fundamental para dar retorno aos investidores e tornar-se mais atrativo como aceleradora. 

A Ventiur já fez alguns exits chamativos, incluindo a Devorando, vendida para o iFood em 2016, a Meerkat, vendida para a Acesso Digital em 2020, e a Suiteshare, vendida para a VTEX em 2021.

Veja também

FINTECH
Randon: R$ 7 mi na Money Money Invest

Este é o oitavo aporte da companhia, que criou fundo há dois anos.

APORTE
Manfing recebe R$ 1 milhão da Meta

Startup do Paraná usa inteligência artificial para aumentar vendas dos clientes.

ZAP
VTEX compra Suiteshare

Startup gaúcha tem plataforma para vender pelo WhatsApp já usada em grandes empresas.

INOVAÇÃO
Tecnosinos terá fundo de investimento

O Fundo 20 deve investir R$ 4 milhões em 20 startups do parque tecnológico.

CVC
Americanas vai investir em startups

A varejista pretende fazer aportes em até 20 empresas neste ano.

CANADÁ
Dream2B recebe aporte de US$ 10 milhões

Valor será usado para investir na internacionalização de startups brasileiras.