A cura para todo mal. Foto: dhammza / Flickr

Muitos de vocês já deviam suspeitar, outros tantos sabem porque fizeram, mas agora existem estatísticas provando tudo.

Uma pesquisa da Kronos, empresa de software de gerenciamento da força de trabalho, com funcionários de empresas na América Latina, apontou que 38% dizem estar doentes para faltar ao trabalho, quando, na verdade não estão.

Os jovens mentem – ou, paradoxalmente, são mais sinceros sobre a mentira – do que os funcionários mais experientes: entre 18 e 24 anos de idade, 51% admitem a mentira, enquanto no grupo de 45 a 64 anos, o número diminui para 20%.

Provando que nem sempre o ócio é a oficina do diabo, 41% dos funcionários fujões passa o dia em casa vendo TV, outros 33% ficam com  filhos doentes ou outros membros da família e 29% utilizaram o tempo livre para ficar com amigos ou familiares.

Quase a metade (46%) dos entrevistados justificaram o absentismo em função do estresse e a necessidade de um dia livre.

Como era de se esperar, 55% dos funcionários se dizem prejudicados pela ausência de colegas, em função do aumento da carga de trabalho. A nota surpreendente fica pelos 41% de discípulos de Poliana ou carreiristas ferozes que afirmaram gostar de “experimentar o papel de seu colega ausente”.

“Quando são levadas em consideração todas as justificativas, não somente as licenças médicas, isso consome 15% da folha de pagamento de uma empresa”, afirma Luis Moura, diretor da Kronos para o Brasil e Caribe.

Apavorado com as dimensões do absentismo laboral? Era mais ou menos essa a ideia.

A Kronos promove na quinta-feira, 10, das 8h30 às 11h30, na Sala Chagal do Sheraton WTC Hotel, em São Paulo, um evento no qual serão apresentados mais detalhes do estudo, e claro, o software da empresa.

Inscrições pelo e-mail kronos@beatsbrasil.com.br ou pelo telefone (11) 2385.2413.

A Kronos está presente em 80 país e afirma ter entre seus clientes mais da metade da lista das 1000 maiores da Fortune 1000, usando aplicações da companhia para agendamento, gestão de ausência, RH, folha de pagamento, contratação e análise de trabalho.

Não foi revelado o tamanho da mostra na qual foi baseada a pesquisa.