ATÉ 2016

GS1: o desafio para rastrear remédios

04/08/2014 14:54

Ana Paula Maniero.

Tamanho da fonte: -A+A

Depois de ter o seu padrão DataMatrix escolhido pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) como a tecnologia que será a base do Sistema Nacional de Controle de Medicamentos, a GS1 agora tem o papel de disseminar o conhecimento sobre a novidade, de olho no prazo da agência federal, que vai até o final de 2016.

Segundo a entidade, a adoção por parte do segmento de saúde será um grande impulso para as tecnologias de automação da GS1, que fornece padrões mundiais de automação, com códigos de barra e RFID.

No entanto, no mercado nacional, a empresa reconhece que estas aplicações ainda estão difusas, e o alinhamento desta novas soluções está longe do ideal.

"No caso da saúde, será a primeira vertical em que atingiremos massa crítica, então poderemos ver de forma efetiva os benefícios que isso poderá trazer à cadeia de produção e uso destes artigos", afirmou Ana Paula Maniero, coordenadora de negócios da GS1 Brasil.

Para o sistema de rastreamento de medicamentos, a Anvisa selecionou o padrão de código de barras DataMatrix, que utiliza tecnologia bidimensional de dados, contendo informações como número de identificação do produto, lote, validade e número serial. 

O sistema manterá o padrão tradicional de identificação de produtos, o GTIN, determinação já estabelecida pela Anvisa desde 1999, mas agora aliada à nova codificação, com dados adicionais.

Como se trata uma tecnologia diferente dos códigos de barra tradicional, com leitores normais, a mudança para o DataMatrix também envolverá investimentos em equipamentos e novos leitores. 

Para a GS1 Brasil, o trabalho ao lado da indústria farmacêutica, governo, laboratórios, clínicas e hospitais será decisivo.

"Chegamos a tentar prorrogar este prazo com a Anvisa, pois sabemos da relutância, não apenas no setor de saúde, de implantar estas tecnologias. No Brasil, muitas empresas não mudam pelo amor. Tem que ser na dor", avalia a executiva.

Por amor ou por dor, a implementação da nova tecnologia deve custar muito dinheiro. 

Só os 18 laboratórios associados à Associação dos Laboratórios Farmacêuticos Oficiais do Brasil (Alfob), uma entidade que reúne empresas públicas como o Instituto Butatan, Tecpar e o Laboratório Farmacéutico do Rio Grande do Sul estimam gastos de  R$ 120 milhões com a implementação da rastreabilidade.

Segundo destaca Wilson Cruz, coordenador do Centro de Inovação e Tecnologia da GS1, a presença mais forte dos padrões GS1 ainda é o varejo, mas o uso junto ao programa da Anvisa pode trazer uma nova mudança nesse cenário.

"O uso deste padrão mais avançado, que vai identificar desde o laboratório onde foi produzida uma vacina, até o posto de saúde onde ela foi aplicada, será também um marco para estabelecer novos dados e usos para outros setores em que nossa tecnologia está presente", afirma o executivo.

Segundo Wilson, cerca de 500 empresas farmacêuticas terão que se enquadrar no novo sistema, assim como cerca de 60 mil drogarias e 7 mil hospitais e clínicas em todo o país. O executivo não soube dar um número exato de medicamentos que serão controlados, mas afirmou que são "na casa dos milhares".

Segundo o presidente da GS1 Brasil, João Carlos de Oliveira, o código vai permitir identificar fontes de desvios de qualidade e reduzir os custos logísticos dos fabricantes. 

“A preocupação com a segurança do paciente e a autenticidade dos medicamentos se torna cada vez mais presente em todo o mundo, e a rastreabilidade é uma ferramenta essencial para ajudar a enfrentar esta situação. A identificação única do item por meio do código de barras é a base do processo”, destaca o presidente.

O EXEMPLO ARGENTINO

Enquanto no Brasil a movimentação está apenas no início, na Argentina, o projeto já colhe os resultados de sua implantação, iniciada em 2011, conforme destacou o presidente da entidade em terras portenhas, Rubén Calônico.

Sob determinação da Anmat, o equivalente da Anvisa no país, o setor farmacêutico argentino também utiliza o padrão DataMatrix para rastreamento e controle de medicamentos.

Atualmente, cerca de 325 princípios ativos e cerca de 3661 diferentes produtos já operam sob o novo sistema, com uma movimentação mensal de 51 milhões de transações em pontos de venda e 228 milhões de movimentações destes produtos em diferentes setores da cadeia de saúde.

"No país temos cerca de 242 laboratórios, 10 mil farmácias, assim como diversos hospitais e clínicas que já tem sua movimentação de medicamentos usando o padrão DataMatrix", detalhou Calônico.

Para a GS1 argentina, para os próximos anos o plano é cobrir a cadeia de saúde como um todo, incluindo também artigos como instrumentos médicos, próteses, marcapassos, entre outros produtos, para assegurar autenticidade e procedência.

O sucesso com o governo argentino também rendeu à GS1 novos acordos para levar tecnologias de automação e rastreabilidade a outras verticais. No ano passado a empresa já firmou um contrato para fornecer padrões para produtos fitosanitários e veterinários.

"Também estamos em negociações com autoridades para implementarmos soluções de rastreabilidade para produtos de pecuária e pescados", finalizou Calônico.

Veja também

SAÚDE
Anvisa: medicamentos mais rastreáveis

Os brasileiros são os que mais consomem medicamentos falsificados no mundo.

CONTROLE ANVISA
GS1 rastreará medicamentos

Solução DataMatrix permitirá recuperar dados do caminho percorrido pelos remédios.

CEO DIZ
GS1: 2014 é ano de reposicionamento

Com nova CEO e nova sede, entidade tem novos desafios para 2014.

ATACADO DE ROUPAS
Brascol: segurança de produtos com RFID

Necessidade era agilizar a logística, reduzir o tempo da expedição e automatizar o sistema de compra.

PETER HINSSEN DIZ
TI: o melhor dos tempos; o pior dos tempos

Analista foi incisivo ao apontar prós e contras do acelerado ritmo tecnológico das empresas atuais.