DE GRÃO

Unifique compra mais duas

04/08/2021 14:29

Em grão, se consolida o mercado de provedores de acesso à internet brasileiro.

Unifique vem fazendo aquisições em série. Foto: Pexels.

Tamanho da fonte: -A+A

A Unifique comprou mais dois provedores de acesso de Internet: Neofibra, de Santa Catarina, e o grupo TKNet, do Rio Grande do Sul.

A maior delas é a TKNet. Sediada em Taquari, uma cidade de 26 mil habitantes a 100 km de Porto Alegre, a empresa atende 15 mil clientes na região.

A Neofibra tem um perfil similar. Sediada em Benedito Novo, uma pequena cidade de 11 mil habitantes perto de Blumenau, a empresa tem 4,3 mil clientes.

De grão em grão, a Unifique vai ampliando sua base de clientes. Nos últimos dois anos, a empresa fez 18 aquisições, triplicando de tamanho e chegando em  143 cidades e 350 mil clientes.

Até pouco tempo atrás, quase toda a base ficava em Santa Catarina. A Unifique entrou no Rio Grande do Sul comprando a Naja Telecom, o maior player da Serra Gaúcha com 31 mil clientes em 16 cidades.

Nos últimos três anos, o faturamento da empresa aumentou a uma taxa média de 65% ao ano, chegando a R$ 286 milhões em 2020 — alta de 75% em relação ao ano anterior.

Dinheiro para seguir comprando não vai faltar. A empresa, segundo maior provedor regional de fibra óptica do Brasil, levantou no final de julho R$ 818 milhões com sua oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) na B3.

Do valor captado, 40% deve ser usado para suportar o crescimento orgânico, enquanto outros 40% vão para a realização de aquisições estratégicas de outros players na região Sul do Brasil.

Os 20% restantes serão investidos na expansão da equipe técnica, comercial e de pesquisa e desenvolvimento, além de outros investimentos. 

Dias depois, a A Brisanet, cearense do segmento de telecomunicações, levantou R$ 1,25 bilhão na bolsa. 

Fundada há 24 anos por Fabiano Busnardo, um ex-faccionista da Hering, a Unifique começou vendendo “acesso discado” para alguns poucos clientes em Timbó, hoje uma cidade catarinense de 44 mil habitantes e terra natal do fundador.

Busnardo tem como sócio Clever Mannes, na época dono de uma das maiores lojas de computadores de Timbó, que aplicou R$ 80 mil e hoje é dono de 37% da empresa.

Em Santa Catarina, a Unifique já é o segundo maior player em números de conexões, atrás apenas da Claro/Net. Considerando apenas fibra óptica, é líder disparada com 24,5% de share.

O Brasil tem mais de cinco mil provedores regionais, espalhados por partes do país que não são atendidas por grandes operadoras.

Mas o setor está mudando rápido. As grandes operadoras estão chegando cada vez mais com fibra óptica em cidades na faixa dos 100 mil habitantes, o tradicional campo de atuação dos provedores regionais.

A reação está sendo consolidação, visando criar players mais parrudos. A EB Capital, gestora de private equity de Eduardo Sirotsky Melzer, levantou no ano passado R$ 2 bilhões para a EB Fibra, seu projeto de banda larga. 

Outra empresa que está investindo forte é a Vero, atualmente presente em 127 cidades, atendendo 400 mil clientes espalhadas por Paraná, Santa Catarina, Minas Gerais e Rio Grande do Sul. O plano de investimentos é de R$ 1 bilhão até 2023.

Quem está bancando as compras é o fundo Vinci Partners, que criou a empresa em 2019 e, desde então, já fez 15 aquisições de provedores regionais.

Veja também

MANEIRO
MetrôRio melhora cobertura de celular

Comba Telecom está implementando um sistema de antenas distribuídas em todo o metrô carioca.

REGIONAIS
Desktop compra Starnet por R$ 51,5 milhões

Com receita de R$ 30 milhões, a provedora de fibra óptica atende a região de Atibaia, em São Paulo.

TELECOM
Brisanet levanta R$ 1,25 bi na B3

Cearense é o segundo provedor regional a fazer uma oferta pública na bolsa brasileira.

TELECOM
Unifique levanta R$ 818 milhões em IPO

A catarinense será o primeiro provedor regional de fibra óptica a estrear na B3.

CONTAS
Brasil TecPar contrata CFO

Luciano Piazza tem passagens por Piá, Auxiliadora Predial e Arezzo.

REDES
Algar compra Vogel

Negócio deve sair por até R$ 600 milhões. Mercado está em consolidação rápida.