A Hidrelétrica Santo Antônio adotou o Elipse Plant Manager com consultoria da Automalógica. Foto: Divulgação.

A Hidrelétrica Santo Antônio, uma obra do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) do governo federal, adotou o Elipse Plant Manager (EPM) com consultoria da Automalógica.

O funcionamento da Hidrelétrica Santo Antônio depende de uma série de atividades, entre elas as relacionadas à operação e manutenção das turbinas. Antes, os dados operacionais das turbinas não eram gerados de forma centralizada, cabendo à equipe da usina coletá-los, um a um, e depois colocá-los em uma planilha para realizar as análises. 

Além de onerosas, as atividades dificultavam a obtenção de respostas rápidas e concisas sobre eventos sistêmicos, como desligamentos de uma unidade geradora, por exemplo.

Em dezembro de 2014, o EPM foi instalado com o propósito de coletar todas as informações da usina, tanto digitais quanto analógicas, provenientes dos sistemas auxiliares, unidades geradoras, dados de transmissão e dos demais equipamentos da planta. 

Capaz de armazenar grande quantidade de dados por meio de séries temporais, o software permite acessar as variáveis de forma contextualizada, além de prover alto desempenho nas consultas.

Atualmente, o EPM monitora mais de 50 mil tags da usina e, até dezembro de 2015, a previsão é que sejam monitoradas em torno de 120 mil.

A arquitetura do sistema da usina possui mais de 50 UAC’s (Unidades de Aquisição e Controle), responsáveis por ler os dados das unidades geradoras. Estas são constituídas de sete servidores de medição, que recebem os dados das UAC’s, e um sistema supervisório redundante, cujas telas e comandos são acessados por meio de uma sala de operações da própria usina. 

O EPM está instalado junto a um sistema de virtualização em cluster com dois servidores e um storage para armazenamento das máquinas virtuais e dados. Já o banco de dados foi implementado como um serviço virtualizado. 

Além disso, foi criada uma máquina virtual com o EPM, que utiliza o banco de dados do cluster para armazenamento e o E3 Gateway para a coleta dos dados do sistema supervisório e das UAC’s.

Atualmente, a equipe utiliza o ChartAnalysis do EPM Studio para visualizar as informações da usina, possibilitando navegar rapidamente no tempo em busca de comportamentos e padrões específicos. Além desta ferramenta, também utilizam o DatasetAnalysis, que oferece um ambiente voltado a um maior detalhamento das análises.

A Hidrelétrica Santo Antônio é uma obra estratégica do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) do Governo Federal. Para implantação e operação da usina, foi criada a Santo Antônio Energia, conglomerado composto por Furnas Centrais Elétricas (39%), Caixa FIP Amazônia Energia (20%), Odebrecht Energia do Brasil (18,6%), SAAG Investimentos (12,4%) e Cemig Geração e Transmissão (10%).

A usina entrou em funcionamento em 2012. Hoje, com 32 turbinas, possui capacidade de geração de cerca de 2.270 MW. Parte desta energia é fornecida aos estados do Acre e de Rondônia, por meio de uma linha direta. 

Pelo linhão de corrente contínua do rio Madeira, a energia chega à cidade de Araraquara, no interior paulista, a partir de onde é fornecida ao sudeste e demais regiões brasileiras através do Sistema Interligado Nacional (SIN). 

A conclusão da obra está prevista para novembro de 2016, quando passará a operar com 50 turbinas, atingindo uma capacidade de geração de 3.568 MW.