Pat Gelsinger durante sua apresentação em São Paulo.

A VMware está preparando um período de crescimento no Brasil, no embalo das consequências da fusão entre Dell e EMC, dona da VMware, e de um acordo com a IBM para avanço na área de cloud híbrida, ambos anunciados recentemente.

Essa é a avaliação de Pat Gelsinger, CEO da VMware, que esteve em São Paulo participando pela primeira vez do vFórum Brasil nesta terça-feira, 04.

“Nossa penetração no mercado aqui ainda é inferior à média mundial. Agora temos condições de reverter isso, somando ao crescimento orgânico outros fatores”, explica Gelsinger.

Um desses fatores é a rede de canais da Dell, um reforço em termos de capilaridade para a VMware no país, onde a multinacional atua hoje 100% por vendas indiretas por meio de 750 parceiros. 

Esse canal, no entanto, está concentrado nos níveis de entrada do programa, onde participam 550 parceiros, com 100 no intermediário e 20 no topo.

A Dell, a título de comparação, tem tem 240 parceiros, distribuídos em 80 no nível mais alto, 120 no nível intermediário e 50 no de entrada. Além disso, a companhia tem um batalhão de 1,2 mil revendedores trabalhando atrás de distribuidores. 

No mercado de servidores x86, máquinas de entrada no segmento corporativo, a Dell lidera o mercado no Brasil há 11 anos, com uma participação de mercado na faixa de 32%, segundo dados do IDC deste ano. 

É um grande mercado potencial para uma oferta conjunta entre a Dell e a VMware, por exemplo, e as duas empresas já estão trabalhando em algumas ofertas conjuntas. Como isso vai funcionar na área de canais ainda não está totalmente claro.

Kleber Oliveira, head de canais da VMware Brasil afirma estar em contato com suas contrapartes na Dell, mas que ainda não há uma “estratégia diferenciada” entre as duas companhias.

Encontrar o modelo de atuação conjunta perfeita é mais difícil do que parece. Ao mesmo tempo em que as companhias buscam sinergias, elas também precisam manter os acionistas da VMware e os clientes em geral convictos da independência da companhia.

“A Dell está comprometida com manter o ecossistema da VMware. É só ver que temos aqui patrocinadores como HPE e Lenovo, concorrentes diretos da Dell”, exemplifica Gelsinger, que assumiu a VMware em 2012 vindo da EMC.

O outro trunfo da VMware no país é um acordo assinado recentemente com a IBM, visando integrar ambientes de cloud híbrido com servidores virtualizados da VMware numa ponta no ambiente de data center e nuvem privada dos clientes, com a nuvem pública Softlayer na outra.

A IBM inaugurou em setembro do ano passado um data center da Softlayer em Jundiaí, no interior paulista. Assim, o acordo significa que o novo posicionamento de mercado da VMware como um provedor de data center definido por software fica mais próximo do mercado nacional.

* Maurício Renner viajou a São Paulo para o vFórum Brasil a convite da VMware.