O passageiro deve cadastrar os dados do seu cartão de crédito no app. Foto: flickr.com/photos/gabriel_rocha.

O aplicativo Easy Taxi lançou uma ferramenta para o pagamento de corrida por meio do smartphone do passageiro. Para utilizar o Easy Taxi Pay, o usuário precisa cadastrar o número do cartão de crédito no sistema e, quando solicitar um veículo, informar a forma de pagamento. 

No término da corrida, o taxista insere o valor para cobrança em seu celular, o passageiro confirma e o pagamento é lançado automaticamente no cartão do usuário. 

Uma pesquisa publicada pelo Gartner em agosto aponta que os pagamentos móveis movimentarão US$ 235,4 bilhões em 2013, um aumento de 44% em relação a 2012. Os usuários do serviço serão de 245,2 milhões, 44,4 milhões a mais que o ano passado.

Dentre 2012 e 2017, o volume das transações crescerá 35%, enquanto os usuários ficarão em mais de 450 milhões.

Disponível para iOS, Android, e suporte para Windows Phone e Blackberry, o Easy Taxi é gratuito para o usuário e já registrou mais de 2 milhões de downloads e tem mais de 80 mil taxistas cadastrados.

No modelo de negócio, não há cobrança de mensalidade para o taxista, apenas o custo de R$ 2,00 por corrida concluída.

Lançada em abril de 2012, a empresa atua hoje em 27 cidades brasileiras: Belém, Vitória, Belo Horizonte, Brasília, Campo Grande, Cuiabá, Curitiba, Fortaleza, Goiânia, Aracaju, João Pessoa, São Luís, Macapá, Maceió, Manaus, Natal, Niterói, Porto Alegre, Recife, Campinas, Barretos, Florianópolis, São José dos Campos, Rio de Janeiro, Salvador, Santos e São Paulo.

Internacionalmente, o serviço já é oferecido em 29 cidades em 19 países: Colômbia, Paquistão, Peru, Chile, México, Venezuela, Argentina, Coréia do Sul, Nigéria, China, Egito, Gana, Filipinas, Tailândia, Uruguai, Equador, África do Sul, Costa do Marfim e Arábia Saudita. 

Em outubro, o fundo Rocket Internet e a holding iMena fizeram um investimento de R$ 15 milhões para expandir o app para países do Oriente Médio e Norte da África.

A empresa também recebeu, em junho, um aporte de R$ 30 milhões, realizado pelo fundo LIH (Latin America Internet Holding), empresa da Rocket Internet e da Milicom.