Um cartão postal do Pelourinho.

O governo da Bahia acaba de fazer a integração de dados de 3,5 mil servidores de oito estatais do estado ao eSocial, em um projeto com consultoria da Resource.

Pelo eSocial, empresas devem entregar dados sobre previdência social, imposto de renda e FGTS dos seus funcionários de maneira eletrônica para o governo federal.

O eSocial das estatais baianas é mais interessante porque acontece em um marco de adoção de softwares da SAP para a área de recursos humanos, um projeto de escala inédita na administração pública do país tocado pela Resource desde 2017.

Com a conclusão da primeira etapa do projeto, a economia gerada pela descoberta de informações duplicados e prevenção de erros foi de R$ 3 milhões por mês e a estimativa é que chegue a R$ 90 milhões por ano, em 2019.

“Há uma importante economia mensal na folha de pagamento, já que por meio da automação dos dados transmitidos para a Receita Federal,  conseguimos detectar erros e fraudes”, afirma Edcassia de Oliveira Souza, coordenadora do projeto de implantação do e-Social da secretaria da Administração do Estado da Bahia.

O sistema de RH da SAP começou a rodar nas estatais baianas em fevereiro do ano passado.

Caso você esteja curioso, as estatais são: Companhia de Desenvolvimento Urbano do Estado da Bahia (Conder), Bahiapesca, Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional (CAR), Companhia Baiana de Pesquisa Mineral (CBPM), Companhia de Engenharia Hídrica e Saneamento da Bahia (CERB), Companhia de Processamento de Dados do Estado da Bahia (Prodeb), Companhia de Transportes da Bahia (CTB) e Empresa Gráfica da Bahia (Egba). 

A Resource venceu a licitação para implementação do produto ainda em dezembro de 2013, em parceria com a Prodeb, estatal estadual de processamento de dados. 

A implantação ficou um pouco atrasada (o prazo inicial era janeiro de 2015) e ainda envolve uma parcela pequena (menos de 1%) dos 247 mil empregados públicos da Bahia. Essa primeira fase custou R$ 38 milhões.

Em 2017, a Resource divulgou que havia iniciado a segunda fase da implementação, quando seriam incluídos servidores ativos e inativos de 63 unidades do estado, entre secretarias, autarquias, fundações, agências, empresas públicas e sociedades de economia mista de 417 municípios do estado.

O SAP HCM atendeu integralmente a mais de 200 requisitos funcionais exigidos pelo governo baiano. O processamento da folha representa 50% das verbas de custeio do pagamento dos funcionários.

O contrato fechado pela Resource é uma vitória importante da SAP na sua estratégia de incrementar a participação com vendas para o setor público brasileiro e ainda mais em um momento em que o governo federal sinaliza com uma maior abertura para software proprietário.

O governo baiano é um case pioneiro de software de folha, um tipo de solução tratada como uma commodity entre empresas privadas há tempos.