Reunião avaliou o andamento das iniciativas do Pacto Alegre. Foto: Joel Vargas/PMPA

O Badesul, banco estatal de desenvolvimento do Rio Grande do Sul, deve lançar em fevereiro um projeto piloto de um novo modelo de financiamento de startups em Porto Alegre.

A novidade foi anunciada nesta terça-feira, 03, durante o 1º Ciclo de Projetos e Ações do Pacto Alegre, que apresentou o status atual dos 24 projetos selecionados em maio pela iniciativa, liderada pela PUC-RS, Unisinos e UFRGS.

Segundo relata o site Matinal, a iniciativa do Badesul terá a parceria da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico de Porto Alegre.

Caso o piloto tenha sucesso, o banco público passará a investir anualmente entre R$ 250 mil e R$ 750 mil em até seis empreendimentos cada. 

O valor cobrirá até 50% do aporte inicial necessário para os negócios começarem a funcionar, com o restante a ser captado junto à iniciativa privada em troca de participações, dentro do projeto Crowdfunding POA.

No primeiro semestre de 2019, foram aprovadas 88 operações de crédito do Badesul, no valor total de R$ 179,7 milhões. O saldo atual de operações ativas do Badesul é de R$ 2,1 bilhões.

Os 24 projetos do Pacto Alegre foram trabalhados em reuniões prévias de núcleos temáticos, sendo aprovadas pelos representantes das mais de 80 entidades que formam a mesa do Pacto Alegre, uma espécie de comando colegiado da iniciativa.

Do total das iniciativas, boa parte tem no seu centro projetos de tecnologia, ou são orientadas para a área de tecnologia, em um sentido mais amplo, incluindo desenvolvimento de software, mas também iniciativas de indústria criativa e polos de inovação.

Frente à prefeitura, as demandas incluem projetos a serem iniciados do zero como  uma identidade digital única com os dados dos moradores da capital, adoção de processos digitais de licenciamento de empresas e do prontuário eletrônico para saúde, além da criação de uma plataforma digital para conectar iniciativas inovadoras da cidade. 

Também estão na lista um plano de dados abertos e editais para adoção de soluções de startups, evoluções de práticas já em curso na prefeitura, assim como um projeto de  projeto de revitalização de uma área de cinco vias do Quarto Distrito, uma área da capital em alta com startups de economia criativa (outro objetivo é uma revisão do plano diretor, o que pode estar relacionado com o Quarto Distrito).

A reunião dessa semana foi a primeira para avaliar o progresso das iniciativas.