No acumulado até agosto, a Olé lucrou R$ 329 milhões. Foto: Divulgação.

A Olé Consignado contratou a Orbitall, empresa do Grupo Stefanini, para desenvolver um projeto de padronização e normatização de seus meios de gestão. A companhia entregou a plataforma Trilha para acompanhar o desempenho das equipes e engajar os colaboradores. 

O sistema multiuso possibilita a comunicação e armazenamento de toda a trajetória de performance e as intervenções de liderança, padronização da elaboração e medição de ganhos dos planos de ação e controle dos KPIs, por meio de Balanced ScoreCard (BSC).

“Além de fomentar o uso exclusivo da ferramenta de gestão processual do cliente, implementamos uma solução de comunicação, por meio da ferramenta interna de comunicação via chat, agilizando em 30% na localização do mailing, reports e comunicados operacionais. Também alteramos o escopo de atuação da supervisão, que passou também a realizar treinamentos”, comenta Danilo Alcântara, diretor de operações da Orbitall.

A iniciativa converteu o score do BSC em uma moeda virtual batizada de OrbZ$. Esta moeda é utilizada pelos colaboradores para aquisição de produtos no TrilhaStore. Mais de 566 mil OrbZ$ foram creditados a mais de 360 usuários. 

A loja virtual dispõe de mais de 200 produtos, entre canecas, garrafas, itens para o lar, livros, brinquedos, produtos educativos, ingressos de cinema e experiências diversas (beleza, palestras). O sistema também permite a realização de rifas e leilões.

O site da loja já teve mais de 22 mil acessos com mais de 200 mil page views desde a inauguração do início do ano.

Já o TrilhaEAD, plataforma de treinamentos online implantada em junho, tem 45 cursos e registrou 6.997 matrículas, 4.400 cursos concluídos e 14.349 aulas concluídas, com 74% de progresso médio. Até o final do ano, o curso a distância passará a aplicar seus treinamentos por meio de vídeos, produzidos em um estúdio da Orbitall.

“A Orbitall tem uma solução simples, orientada de forma clara a resultados tangíveis, sem onerar a relação com seu cliente e com resultados expressivos já nos primeiros 90 dias de implantação. Para realizar o projeto, usamos ferramentas licenciadas da Microsoft, FCA e PDCA como base teórica do controle de gestão, PHP e MySQL para comercialização dos produtos adquiridos com os OrbZ$”, detalha Romão Guimarães, gerente executivo de relacionamento com o cliente.

No início deste ano, a família Pentagna Guimarães exerceu uma opção para vender seus 40% na Olé ao Santander, que detém os outros 60% da operação. Hoje, o negócio é objeto de uma arbitragem, segundo o BrazilJournal.

A avaliação de mercado da empresa provoca divergências. Os Pentagna Guimarães contrataram a Ernst & Young, que chegou a um valuation superior a R$ 4,5 bilhões. Já o Santander contratou o Morgan Stanley, que chegou a uma avaliação. mais próximo dos R$ 3 bilhões.

Dados do Banco Central mostram que, no acumulado até agosto, a Olé lucrou R$ 329 milhões, 98,5% mais que no mesmo período de 2018. Considerando os últimos 12 meses, o lucro foi de R$ 507 milhões.

A família Pentagna Guimarães também é dona do BS2, o antigo Banco Bonsucesso.