Alexandre Gotthilf, CEO da Plugify. Foto: divulgação.

Tamanho da fonte: -A+A

A Porto Seguro, uma das maiores seguradoras do Brasil, anunciou a aquisição de 10% da Plugify, startup paulistana de aluguel de hardware e gestão integrada de TI, através do seu fundo de investimentos. 

O valor do acordo, que inclui uma cadeira para a Porto no conselho da Plugify, não foi divulgado pela companhia. A Jera Capital também participou da rodada.

Fundada em 2017, a startup tem crescido 10% ao mês. O foco são pequenas e médias empresas, com planos de assinatura de 24, 36 e 48 meses.

Seus dois sócios têm experiência em negócios similares com o atual. Alexandre Gotthilf (CEO) foi gerente na Pitzi, uma startup voltada para seguros de celulares, e Paula Mendes Caldeira Rathsam (CFO) tem passagens por bancos como BTG, Bank Of America e Moelis & Company.

Até então, a Plugify vinha financiando sua expansão através de debêntures, modelo de financiamento por dívida pelo qual uma empresa pode captar recursos no mercado de diferentes investidores.

Nesse formato, captou R$ 10 milhões em 2020 e R$ 32,6 milhões em 2021, incluindo fundos grandes como Angá, Augme e Jera Capital.

A companhia não tinha uma relação prévia com a Porto Seguro, mas o modelo de negócio proposto pela startup despertou o interesse pela aproximação. 

“Observamos uma oportunidade de melhor atender ao mercado corporativo, com especial foco em pequenas e médias empresas. Esta iniciativa está alinhada com a nossa estratégia de conectar soluções de proteção a ecossistemas de grande potencial de crescimento”, destaca Marcelo Picanço, CEO da Vertical Seguros da Porto Seguro.

Com o investimento, a seguradora pretende ampliar as oportunidades na oferta de seguros para equipamentos locados junto aos clientes, além de expandir benefícios e serviços de conveniência para o público B2B. Já a Plugify pretende ampliar a oferta de serviços e a participação de mercado.

Há 76 anos, a Porto Seguro atua no ramo de seguros patrimoniais e de pessoas e conta com mais 11 milhões de clientes no Brasil, administrados em 101 sucursais e escritórios regionais.

Ao todo, o grupo tem 27 empresas com 13 mil funcionários, 12 mil prestadores de serviço e 36 mil corretores parceiros. Em 2020, registrou lucro líquido de R$ 1,69 bilhão, alta de 22,3%.