Funcionários do Google em São Paulo. Foto: Divulgação.

Você acha sua agência digital ou startup de software especialmente descolada pelos ambientes abertos, funcionários de jeans e a infalível sala de videogame?

Revise seus conceitos, os escritórios de advocacia de São Paulo já oferecem ambientes semelhantes.

Segundo revela matéria da Folha de São Paulo desta terça-feira, 05, gravata e sala privativa deixaram de ser lei em alguns escritórios de advocacia da cidade.

A matéria usa como case o escritório AidarSBZ, formado por 69 advogados na faixa dos 30 que saíram da antiga banca, o Felsberg e Associados, controlado por sócios setentões.

“Você consegue fazer um trabalho sério sem ser sisudo e sem exigir um monte de regras”, explicou à Folha Guilherme Amaral, um dos fundadores da nova empresa, momento antes de um happy hour no escritório com bingo e cerveja.

[Bingo? Pelo visto ainda há coisas que podem ser aprendidas vendo vídeos dos escritórios do Google].

Além das festas, a nova empresa trabalha com home office, bancadas coletivas misturando estagiários e sócios. Até o tratamento de doutor foi abolido.

Não há referência sobre a presença de cachorros no ambiente de trabalho, sobreposição de camisas ou uso excessivo de padrões xadrez, uso de pufes ou da expressão brainstorming.

Nem mesmo um link para uma gravação do Harlem Shake. Mas é tudo uma questão de tempo.