IBM e Senior unidas nas nuvens. Foto: flickr.com/mnsc

A blumenauense Senior firmou uma parceria com a IBM para venda de sistemas de gestão empresarial em cloud computing, com foco no mercado de pequenas e médias empresas.

O ERP Senior fica disponível em nuvem privada da IBM a partir deste mês. Já as soluções Gestão de Pessoas e Gestão de Acesso e Segurança serão ofertadas em breve, ainda no primeiro semestre.

“Disponibilizar sistemas na nuvem dá maior escalabilidade sem custos adicionais de infraestrutura. Além de redução de custos, a plataforma Senior-IBM proporciona aumento na segurança, acesso a novas tecnologias e consultoria especializada”, comenta o CEO da Senior, Carlênio Castelo Branco.

Ele destaca os investimentos em nuvem no Brasil como uma tendência já consolidada entre companhias de grande porte, mas ainda emergente nas pequenas e médias.

“O mercado brasileiro de software está em plena movimentação. Os maiores desenvolvedores estão buscando aumentar a competitividade, investindo forte em fusões e aquisições ou ampliando o portfólio de produtos, serviços e soluções”, completa David Dias, executivo de Desenvolvimento de Novos Negócios da IBM Brasil.

Na aliança entre as duas companhias, a Senior entra com a oferta dos sistemas na nuvem da IBM, além da entrega, operação e manutenção dos softwares e garantia dos níveis de serviço.

A IBM, em sua nuvem privada, vai prover gerenciamento, segurança, disponibilidade e escalabilidade para as soluções.

O contrato inclui ainda consultoria especializada Senior e suporte da infraestrutura em regime 24x7.

Com sede em Blumenau, a Senior possui quatro filiais (São Paulo, Rio Grande do Sul, Mato Grosso do Sul e Pernambuco) e cerca de 100 canais de distribuição em todo o Brasil, atendendo a mais de 10 mil clientes.

Como parceira, a empresa buscou uma expert em cloud. A IBM vem investindo em nuvem, com foco nas PMEs, com força.

Recentemente, anunciou a família PureSystems de servidores e sistemas gerenciadores para a nuvem, com promessa de facilitar a automação de serviços e reduzir o consumo de energia em 30%.

Além disso, anunciou que toda sua gama de ofertas em nuvem mudará para uma arquitetura de código aberto, apostando na plataforma livre OpenStack, permitindo que o usuário final compre equipamentos de diversos integrantes da comunidade que inclui mais de 150 participantes, como AMD, Intel, Canonical e Cisco.