Porto Alegre está em reformulação. Foto: Shutterstock

UFRGS e PUC-RS promovem, na quarta-feira, 01 de junho, um evento focado na área de empreendedorismo, em mais um passo de uma aproximação entre as duas instituições que tem como pano de fundo a revitalização do Quatro Distrito de Porto Alegre.

Vamos por partes. No evento de junho, os reitores das duas instituições assinarão um  convênio de cooperação entre as instituições na área do empreendedorismo. 

O convite disparodo pela universidade federal nesta quinta-feira, 05, não dá maiores detalhes sobre o escopo do acordo, mas ele sucede outro documento do tipo, assinado em agosto do ano passado, no qual as instituições se comprometeram a fomentar ações de ensino, extensão e pesquisa relacionados ao tema.

Além da cerimônia, o evento é focado em promover o networking entre pesquisadores e empresários ligados aos parques tecnológicos das duas universidades, o Tecnopuc e o Zenit.

“O encontro pretende ser um marco na cena empreendedora de Porto Alegre e entrar para o calendário dos grandes eventos de empreendedorismo da cidade”, promete o convite disparado pela UFRGS.

A frase poderia ser um caso de exagero retórico, se não fosse o fato de que PUC-RS e UFRGS estão trabalhando juntas para instalar um parque tecnológico na área do Quatro Distrito de Porto Alegre, antiga área industrial hoje alvo de uma iniciativa de revitalização comandada pela prefeitura da capital gaúcha.

A colaboração foi revelada pelo secretário de Fazenda de Porto Alegre, Jorge Tonetto, durante o evento Conexão Softsul, em setembro do ano passado. 

De acordo com Tonetto, ela envolveria a busca de um local na região, um retângulo entre a rodoviária e a avenida Sertório, limitada nas suas extremidades pela avenida Farrapos e a linha do Trensurb.

As duas universidades não fizeram maior alarde sobre o assunto desde então, mas o projeto do Quarto Distrito tem avançado visivelmente por parte da PUC-RS. 

A prefeitura de Porto Alegre, governo do Rio Grande do Sul e a PUC-RS assinaram um convênio em março focado em criar na capital gaúcha iniciativas ligadas ao conceito de smart cities.

As atividades serão feitas através do Smart City Innovation Center, um centro de pesquisa e desenvolvimento de soluções relacionadas às cidades inteligentes e da Internet das Coisas que a Huawei mantém no Tecnopuc, parque tecnológico da PUC-RS.

O campo de provas das novidades deve ser a região do chamado Quarto Distrito. 

As coisas tem andado também por parte da prefeitura, que no final do ano passado aprovou a isenção do IPTU (hoje em 1,1% anuais cobrados sobre o valor venal do imóvel) pelo período de cinco anos para investimentos feitos no Quarto Distrito. 

Também foi cortado o ITBI, imposto municipal de 3% que se cobra quando da venda de um imóvel. A alíquota de ISS para serviços de pesquisa e desenvolvimento na área tecnológica em saúde foi reduzida de 5% para 2% em toda cidade.

Outra lei autoriza a criação da Empresa de Gestão de Ativos do Município de Porto Alegre S/A (InvestePoa), uma empresa de sociedade anônima de economia mista para gerenciar ativos. 

O objetivo primordial é vender títulos das dívidas de ISSQN e IPTU da prefeitura, totalizando R$ 1,6 bilhão, mas um órgão como o InvestePoa também facilita a constituição de eventuais PPPs para gerir os eventuais lucros de tecnologias desenvolvidas em projetos como o da Huawei.