Estudo mapeia as principais mudanças aspiracionais. Foto: flickr.com/taminator

Um estudo realizado pela editora Abril e o Instituto Vox, denominado “Eles” diz que sim. O levantamento, apresentado nessa quarta-feira, 04, mostrou que os homens contemporâneos estão se aventurando mais na cozinha e se preocupando com a aparência.

Além disso, o perfil do homem atual faz menos questão de ser provedor, realizador e líder, mas é mais flexível às opiniões contrárias. A informação é do Meio & Mensagem.

Para Helena Bagnoli, diretora-geral da Unidade de Segmentadas da Editora Abril, que abrange os títulos direcionados a jovens, mulheres e homens, o fim da oposição entre gêneros está permitindo a mobilidade de atribuições e conquistas.

“As partes estão misturadas e se reagrupando de novas maneiras, sem confronto, mas pelo encaixe”, pondera.

Esse comportamento vai além do rótulo metrossexual, que acabou por minimizar uma mudança de paradigma em favorecimento de um estilo de vida altamente vendável.

Segundo a pesquisa, por exemplo, 72% dos homens cozinham para a família — 18% o fazem intensamente, 23% moderadamente e 31% um pouco. Sobre a limpeza da casa, 76% discordam que a responsabilidade seja só da mulher.

No total, foram entrevistados 5.545 homens entre 18 e 50 anos, das classes socioeconômicas A, B e C, que responderam às 160 perguntas de um questionário online.

Além disso, a pesquisa abordou o público qualitativamente, durante três horas 20 homens responderam a questões sobre medos, dúvidas e aspirações.

Segundo o estudo, há uma minoria que ainda resiste aos novos tempos sendo 11% dos entrevistados que ainda acreditam que o homem deve ser o único provedor do lar e 7% gostariam que o mundo fosse como antes.