Daniel Fares. Foto: divulgação

O Hospital Infantil e Maternidade Femina, de Cuiabá, adotou o ERP da MV.

Conforme o diretor executivo da instituição, Daniel Fares, em oito meses de uso, a ferramenta já mostra ganhos, especialmente nas áreas de segurança do paciente, controle de estoque e prescrições, cujo tempo de escrita caiu de sete para três minutos.

De início, conta ele, houve resistência cultural à ferramenta, e apenas 50% dos médicos aderiram de cara ao sistema.

“Nossos médicos sempre prescreveram em papel e, do dia para a noite, começaram a utilizar computadores”, relata Fares. “Mas em 15 dias, o número de usuários subiu para 80% e, em um mês, 97% dos médicos já haviam aderido ao Prontuário Eletrônico do Paciente”, completa.

Os benefícios também já animaram o hospital a ir além na automatização de processos: o próximo passo, segundo Fares, é a implantação de sistemas estratégicos.

“Em julho, uma equipe técnica do Femina irá visitar os hospitais Biocor e Mater Dei para conhecer práticas adotadas nessas instituições de referência”, antecipa o diretor.

A meta é adotar os sistemas de orçamento, custos, BI e BSC, para controlar e ter acesso às informações de todos os setores do hospital, em tempo real.

Focado em neonatologia, pediatria, ginecologia e obstetrícia, o Femina tem 80 leitos e realiza cerca de 50% dos partos da rede privada da grande Cuiabá.

O corpo clínico é aberto e tem cerca de 550 médicos cadastrados no sistema MV.