A Procempa gerou uma economia de R$ 16 mil mensais com a exclusão de 96 pessoas de seu plano médico e 48 do odontológico, além da demissão de 22 cargos terceirizados, 26 estagiários e quatro colaboradores contratados como segurança volantes.

Só com horas extras e sobreavisos cortados, a companhia já teve economia de 31,6% nos primeiros cinco meses deste ano, em comparação ao mesmo período de 2012.

Nos últimos dois anos, a empresa gastou R$ 3,6 milhões na rubrica, segundo apuração do jornal Zero Hora.

A companhia passou por uma auditoria do Tribunal de Contas do Estado após denúncias de irregularidades envolvendo os planos de saúde, CCs, contratações de serviços, entre outros pontos.

Em serviços extras, por exemplo, uma auditoria feita ainda em 2011 mostrava saída de R$ 1,7 milhão e apontava excessos, mostrando que estatal usava estes serviços para atender a demandas permanentes.

Mesmo com o alerta, em 2012 o gasto nesta área subiu para R$ 1,8 milhão.

Agora, a Procempa trabalha com meta de reduzir as horas extras e sobreavisos em 35% ao longo de todo 2013.

Outras medidas têm sido tomadas na empresa, como a proibição de contratações por dispensa de licitação e autorização de pagamentos sem comprovação original do serviço – já que durante a auditoria foram encontrados xerox de notas de alguns itens contratados.

Outros cortes têm sido feitos em telefonia e teletáxi.

Na primeira área, o gasto mensal da Procempa foi registrado em R$ 16 mil. A administração interina da companhia, a cargo de Maurício da Cunha, inclui medidas de controle que abrangem 168 aparelhos, entre telefones e tablets, indo até o executivo municipal, cuja conta era paga pela Procempa.

Agora, só pessoas ligadas à empresa podem ter os equipamentos, o que resultou no bloqueio de 59 dispositivos.

Além disso, ficou estabelecido que quem gastar mais do que o limite estipulado por mês em ordem de serviço, terá de ressarcir o valor.

Com isso, o custo mensal com telefonia já caiu para R$ 9 mil.

No caso do teletáxi, em 2012 a Procempa gastou R$ 150 mil. Este ano, a meta é cortar os gastos, e para isso os usuários terão de apresentar justificativa para uso das corridas.

Para manter o controle sobre os gastos e recursos, a Procempa também estabeleceu um comitê de gerência financeira, coordenado por Ronaldo Ximenes Carneiro, que foi destacado pela prefeitura para detectar falhas em procedimentos e pagamentos.

Com isso, toda decisão que possa ter impacto financeiro na estatal só poderá ser aprovada pelo comitê.

Interino no comando da Procempa, Maurício Gomes da Cunha assumiu o cargo na quinta-feira, 06 de junho, com meta de ficar um máximo de 40 dias no posto.

Ele entrou na vaga deixada por André Imar Kulczynski, que renunciou na quarta-feira, 05, assim como o diretor Técnico da estatal, Zilmino Tartari.

As renúncias seguiram-se a uma série de denúncias feitas pela imprensa a respeito de supostas fraudes em planos de benefícios, contratações de serviços, patrocínio de eventos e outras irregularidades na companhia de processamento de dados.