Baguete
InícioNotícias> Algar Tech: call center e data center verdes

Tamanho da fonte:-A+A

ENERGIA

Algar Tech: call center e data center verdes

Júlia Merker
// terça, 05/08/2014 09:20

A Algar Tech, empresa do grupo Algar que oferece soluções de TIC e BPO, investe em um projeto de eficiência energética que utiliza a luz solar e permite gerar e consumir energia elétrica na própria empresa. Com esse movimento, a companhia terá call center e data center verdes, registrando a geração de 5% da energia consumida anualmente e uma economia de R$ 125 mil por ano.

Algar Tech irá economizar R$ 125 mil por ano com o projeto. Foto: Divulgação.

Desenvolvido pela empresa Alsol Energias Renováveis para o data center localizado em Uberlândia, cidade sede da Algar Tech, o projeto consiste em um sistema fotovoltaico composto por 1230 módulos de 245Wp instalados no telhado da empresa, capazes de gerar 450 MWh/ano. 

O volume gerado poderia alimentar pelo menos 150 residências de consumo médio, ou seja, que atualmente registrem o valor de R$ 170 na conta mensal de energia.

"A crise energética e o aumento significativo na tarifa de energia nos levou a buscar os recursos de forma eficiente e apoiar as fontes de energia renovável. Nossa meta é ter 100% dos data centers alimentados por fontes limpas", destacou o presidente da Algar Tech, José Antônio Fechio. 

A Algar Tech conta com dois data centers em Uberlândia e um em Campinas.

Com o projeto, a Algar Tech vai solicitar o Selo Solar, certificação do Instituto para o Desenvolvimento de Energias Alternativas na América Latina (Ideal) que reconhece empresas, residências e instituições públicas e privadas que investem em eletricidade solar. 

"Para ter o selo a edificação da Algar Tech enquadrada na classe tarifária A4 precisa apresentar uma geração solar fotovoltaica de no mínimo 50 MWh/ano, e a Algar Tech vai registrar, com o projeto, 450 MWh/ano", afirmou o diretor da Alsol, Gustavo Malagoli Buiatti.

O Grupo Algar tem negócios diversificados, desde a produção de soja até um parque aquático, passando por venda de produtos de consumo no Nordeste, mas tecnologia vem ganhando importância no mix.

Em 2013, a empresa faturou R$ 3,7 bilhões, valor no qual TIC respondeu por 40%. No Ebitda de  R$ 581,3 milhões, a área respondeu por 60%. Nos próximos cinco anos, os planos de investimento são de R$ 2 bilhões, boa parte deles para tecnologia.

Júlia Merker