Edu Neves, diretor-executivo do Reclame Aqui. Foto: Divulgação.

O Reclame Aqui comprou a startup Mooba por R$ 3 milhões. A companhia de cashback lançada em janeiro oferece reembolso pelas compras feitas nos sites de varejistas parceiros.

A partir de R$ 30 acumulados, os usuários podem solicitar o saque dos créditos em lojas como AliExpress, Extra.com, Dafiti, Fast Shop e Decolar.com. 

Segundo Edu Neves, diretor-executivo do Reclame Aqui, o aporte incluiu a compra do controle da Mooba e um investimento para a expansão da operação pelos próximos 18 meses, segundo informações do Valor.

A partir do investimento, o Reclame Aqui passa a ter informações do consumidor ao longo de todo o processo de compra, não só das críticas em relação a uma empresa. 

Hoje, 90% das 12 milhões de visitas que o portal recebe por mês não são de pessoas reclamando, mas de internautas em busca de informações sobre produtos e serviços antes de fazer uma compra. 

Com isso, o site pretende ajudar varejistas a reduzir o risco nas vendas on-line, permitindo que descontos maiores sejam oferecidos a determinados perfis de consumidores. 

"A ideia é fazer uma curadoria de consumo e ligar bons compradores a bons vendedores", disse Neves. 

O Reclame Aqui espera ter 12 milhões de usuários no Mooba em 12 meses. Para Neves, não há conflito de interesse no fato de o Reclame Aqui (usado para reclamações de consumidores) passar a referendar compras em determinados varejistas.

 "Sempre prezamos pela transparência. Se você olhar, tem muita reclamação sobre o Reclame Aqui no Reclame Aqui. Temos uma auditoria natural. Por isso estamos tranquilos em caminhar nessa direção", disse Neves em entrevista ao Valor.

Em 2014, o Reclame Aqui teve receita de R$ 14 milhões. Para 2015, a estimativa é chegar a R$ 24 milhões. Criado em 2000, o site tem 15 milhões de cadastrados.