Votação na Câmara de Vereadores pode demorar. Foto: Matheus Piccini/CMPA

A Assespro-RS está preocupada com alguns itens do projeto de regulamentação dos aplicativos de transporte individual na cidade. Na visão, alguns dos itens na pauta de votação podem inviabilizar a entrada desse tipo de empresas na cidade.

No momento, a regulamentação afeta principalmente o Uber, presente por aqui desde novembro do ano passado. Outros players, como o Cabify, estão em estágio inicial.

As pegadinhas apontadas pela Assespro-RS tem a característica comum de afastar motoristas mais casuais desses aplicativos, colocando exigências que fariam trabalhar com esses apps ser economicamente viável para quem dedicar-se mais exclusivamente.

incluem uma taxa fixa mensal de R$ 180 por carro, bastante acima do definido em outras capitais. A entidade defende um modelo proporcional, cobrando por quilômetro, como o adotado em São Paulo.

Outra é a restrição à circulação de veículos emplacados fora de Porto Alegre, as regras de compartilhamento de dados e a diminuição do número de vistorias veiculares. 

“O que essas medidas têm em comum é o efeito de diminuir o número de motoristas, prejudicando o modelo de negócio das empresas”, aponta Alexandre Mota, vice-presidente de Marketing e Eventos da Assespro-RS.

A entidade está entrando em contato com os vereadores da cidade conscientizá-los da situação. Quando a regulamentação dos apps de transporte individual em Porto Alegre estará concluída é um mistério.

A votação começou em 29 de setembro, mas foram avaliadas apenas duas das 57 emendas de vereadores previstas. Nenhuma delas tem a ver com os problemas sinalizados pela Assespro-RS.

Ainda não está claro quando a votação pode recomeçar. O principal entrave à retomada da votação do projeto que regulamenta os aplicativos de transporte são pautas com urgência que terão de ser votadas nos próximos dias. 

A Assespro-RS tem trabalhado por facilitar a operação do Uber em Porto Alegre desde que o clima entre o aplicativo a administração municipal ficou feio, no final do ano passado. A entidade intermediou reuniões e promoveu eventos sobre o tema.

Recentemente, a Uber se associou à Assespro-RS, a primeira entidade empresarial da qual a multinacional participa no país.