André Mello, diretor geral da RTM. Foto: Divulgação.

A RTM, provedora de serviços para integração do mercado financeiro, fez um aporte financeiro de R$ 3 milhões na Byne, startup residente na Acate em Florianópolis. 

Como contrapartida, a empresa poderá ofertar o ControlON, produto da startup, com exclusividade para mercado financeiro e terá, até dezembro de 2019, a opção de compra de 65% a 80% das ações da Byne.

O plano das empresas é, a partir da gestão compartilhada, explorar o mercado nacional em 2017. A partir de 2018, a ideia é expandir através de parcerias para América do Sul e Estados Unidos.

Fundada há quase 20 anos, a RTM oferece infraestrutura de telecomunicações e soluções de tecnologia em ambiente de nuvem privada para empresas do mercado financeiro. 

A empresa está presente em 17 estados, conectando mais de 500 instituições de todos os portes e 24 provedores de informações e serviços. Em parceria com a Embratel, fornece a estrutura de gerenciamento da RSFN, uma das redes do Sistema de Pagamentos Brasileiro.

Já a Byne oferece soluções de comunicação para ambientes críticos. Criada em 2008 com o objetivo de prover sistemas para grandes empresas, a companhia lançou o ControlONE a partir de uma necessidade específica da Petrobrás

A solução é utilizada por empresas da área de energia (como Itaipu), aeroportos, segurança pública e refinarias da Petrobrás e Braskem.

Os sócios da startup são Vitor Espindola, engenheiro eletricista que lidera a equipe de desenvolvimento; André Nazário, responsável pelo produto, e Lucas Mocellin, da área comercial.

“Disponibilizamos a infraestrutura tecnológica necessária, bem como serviços de gerenciamento, monitoramento, segurança e disponibilidade do ambiente. Nosso principal diferencial é oferecer um meio de comunicação em nuvem privada, no qual o cliente dispõe de confiança e total segurança para realizar suas operações”, afirma André Mello, diretor geral da RTM.

A solução, oferecida como serviço, permite gerenciamento de múltiplas chamadas simultâneas e gravação integrada. A plataforma conta com a conectividade de Linhas Privadas (LP) da RTM em seu core e redundância para alta disponibilidade.

O acordo entre a empresa e a startup surgiu pelo Conecta RTM, programa lançado no ano passado com o objetivo estimular o empreendedorismo e incentivar novos produtos e serviços de tecnologia para o mercado financeiro. 

A companhia buscou a criação de um ecossistema cooperativo reunindo fornecedores, parceiros, clientes, centros de pesquisa e startups.