CHUVA DE APORTES

Startups brasileiras captaram US$ 3,5 bilhões em 2020

06/01/2021 12:27

De acordo com o estudo Inside Venture Capital Brasil, ano foi o melhor da história do setor.

Choveu dinheiro para as startups no ano passado, principalmente no caso das fintechs. Foto: Pixabay.

Tamanho da fonte: -A+A

As startups brasileiras captaram mais de US$ 3,5 bilhões (cerca de R$ 18,1 bilhões) em 2020, uma alta de 17% em comparação com o volume do ano anterior, de US$ 2,97 bilhões.

Os valores fazem parte do estudo Inside Venture Capital Brasil, realizado pelo hub de inovação Distrito e publicado pelo site NeoFeed.

Segundo a publicação, a cifra foi a maior desde 2011, quando o levantamento começou a ser produzido, e o número de rodadas no ano também foi o maior da série: foram 469 aportes. 

A maioria dos investimentos (337) foi nos estágios anjo, pré-seed e seed, sendo 200 deles neste último. Somados, esses acordos totalizam US$ 172 milhões. Já as rodadas Series C lideraram o volume de recursos, com mais de US$ 800 milhões captados no período.

“Eu diria que 2020 foi o ano da resiliência e da consolidação do mercado de venture capital no Brasil. Muitos esperavam pelo pior. Mas a resposta de todo o ecossistema foi surpreendente”, afirmou Gustavo Gierun, cofundador do Distrito, ao NeoFeed.

O ano foi liderado pelos três novos unicórnios brasileiros, começando pela Loft, que recebeu um aporte de US$ 175 milhões já na primeira semana de 2020.

Em setembro, foi a vez da VTEX, com um investimento de US$ 225 milhões. Já a Creditas anunciou o feito em meados de dezembro, quando recebeu US$ 255 milhões.

A gestora mais atuante de 2020 foi a Bossa Nova, com 27 rodadas, seguida pelo Canary e pela Domo Invest, com 23 e 20 aportes, respectivamente. 

O segmento financeiro foi o maior alvo dos investimentos entre as startups do país: as fintechs levantaram um total de US$ 1,7 bilhão em 2020, em 90 acordos. Uma delas foi a Neon, que captou US$ 300 milhões em rodada liderada pela General Atlantic.

Já as healthtechs atraíram US$ 104 milhões em 49 acordos, o segundo maior número de aportes. Um deles foi o da Sami, de planos de saúde, que captou R$ 84 milhões em outubro junto a fundos como Valor Capital e Monashees.

O varejo veio em seguida, com 40 investimentos que totalizaram US$ 360 milhões. Além disso, o setor se destacou na vertente de fusões e aquisições, com 19 transações envolvendo retailtechs no período.

Nesse espaço, as redes varejistas se sobressaíram. O Magazine Luiza ficou no topo do ranking entre as grandes empresas que compraram startups em 2020, com 11 acordos no ano. O maior deles foi em dezembro, com a aquisição da Hub Fintech por R$ 290 milhões.

Nas fusões e aquisições, as fintechs também ficaram na dianteira, ao lado da Tecnologia da Informação, com 22 transações cada.

Entre os compradores da área da tecnologia, destaca-se a Locaweb, que adquiriu cinco startups depois de levantar R$ 1,3 bilhão em seu IPO, em fevereiro. Seu quinteto incluiu as empresas Social Miner, Etus, Vindi, Ideris e Melhor Envio.

Ao todo, o ano teve 163 fusões e aquisições envolvendo startups, o que representou um crescimento de 154% sobre o volume de 2019. Do total de negócios, 117 ocorreram no segundo semestre.

Veja também

APORTE
Knewin levanta R$ 40 milhões

Investimento foi realizado pela Oria Capital, que passa a fazer parte do conselho da PRTech.

ECONOMIA
O (ex) país do futuro consegue superar a "década perdida"?

PIB per capita do Brasil deve ter resultado ainda pior que o dos anos 1980.

ADEUS
Relembre 2020, se você é corajoso o bastante

A retrospectiva de um ano que não será esquecido: coronavírus, novo normal, ransomware, grandes negócios e mais.

VENDAS
MC1 assume controle da Landix

MC1 atende grandes empresas, Landix tem  boa penetração em pequenas e médias.

FÁCIL
Agibank: chatbot envia vídeos pelo WhatsApp

Ideia é ser mais amigável com o público acima de 50 anos, alvo do banco digital.

FUTURO
Softex: R$ 50 milhões para fundo

Foco são startups da “quarta revolução industrial”, com aportes de até R$ 5 milhões.

BILIONÁRIA
Creditas é o novo unicórnio brasileiro

A fintech foi avaliada em US$ 1,75 bilhão em rodada série E liderada pelo LGT Lightstone.

STARTUPS
The Bakery e Prana Capital lançam fundo de US$ 5 milhões

Joint venture está em fase de captação para investir em empresas brasileiras e estrangeiras.

COMPRAS
Floki recebe aporte de R$ 3,6 milhões

Rodada pré-seed foi liderada pela Iporanga Ventures e teve a participação de investidores-anjo.

MARKETING
Unico faz contratação de peso

Empresa parece ter a meta de se transformar em uma marca que a minha mãe possa conhecer.