Empresas vão apertar o cinto do orçamento de TI. Foto: flickr.com/photos/reallyboring

O ano de 2012 esteve abaixo da média quando o assunto é investimento em TI.

É o que aponta uma pesquisa do Instituto Sem Fronteiras com 1.140 empresas que estão entre os 3 mil maiores orçamentos de tecnologia do país.

O levantamento apontou que os investimentos em TI pelas empresas cresceram 6% no ano passado, diante de uma previsão de crescimento de 9%. No mesmo período, o PIB brasileiro cresceu menos de 1%.

Os investimentos na última década vinham crescendo acima de 10% ao ano, com exceção de 2009, no auge da incerteza sobre os rumos da economia mundial, quando o crescimento foi de apenas 2%.

Sobre os impactos da crise econômica mundial e o fraco desempenho da economia brasileira, 73% dos entrevistados destacaram que seus orçamentos foram afetados, enquanto 36% afirmaram que os seus orçamentos terão queda ou permanecerão no mesmo patamar de 2012.

Ainda assim, o ISF espera, para este ano, um crescimento dos investimentos similar ao do ano passado. A pressão recairá sobre os fornecedores de serviços e outsourcing: 43% dos entrevistados disseram que vão buscar renegociar seus atuais contratos.

“Observamos a volta da pressão da alta cúpula sobre a área de informática para que a TI ajude a reduzir custos da empresa. Essa situação não foi muito evidente nos últimos três anos”, comenta  Tatiane Ramos, gerente de pesquisas do Instituto.

Apesar da crise, apenas 4% das áreas de TI pretendem reduzir o quadro de funcionários e 60% delas buscam novas contratações.

“O principal desafio das empresas, neste momento, é a qualificação dos seus atuais profissionais para lidar com novas tecnologias”, afirma Ivair Rodrigues, diretor de pesquisas do Instituto. “As organizações entendem que é mais barato investir no seu quadro de funcionários”, completa.