Autumn Radtke. Foto: divulgação.

A bruxa está solta pro lado do Bitcoin, pelo jeito. Depois da falência do Mt. Gox, uma das mais populares plataformas de câmbio para a moeda virtual, a CEO da First Meta, o primeiro site de intercâmbio de bitcoins, morreu em um provável suicídio.

Autumn Radtke, de 28 anos, foi encontrada morta em seu apartamento em Singapura. As suspeitas são de que ela teria cometido suicídio, mas as razões ainda são desconhecidas, segundo informação do Wall Street Journal.

A First Meta soltou uma nota oficial sobre o falecimento da CEO, destacando que está "chocada e triste pela perda da nossa amiga e CEO".

Segundo Douglas Abrams, diretor da plataforma de câmbio, a causa exata da morte de Autumn ainda está sob investigação.

Antes de ingressar na First Meta, Autumn Radtke foi diretora de desenvolvimento de negócios da Xfire e trabalhou para o desenvolvimento dos sistemas Geodelic. Em 2007, ela trabalhou com a Apple para trazer a Aqua Connect, um software de comunicação em nuvem.

Embora a morte de Radtke não tenha um efeito financeiro como foi o da falência do Mt. Gox, que rendeu prejuízos de cerca de R$ 500 milhões com o desaparecimento de mais de 700 mil bitcoins, o caso aumenta a má publicidade para a moeda.

No entanto, segundo Steve Beauregard, empresário e vizinho de Radtke, a morte da CEO não foi relacionada ao trabalho. Beauregard é o CEO do GoCoin, também um site de troca da criptomoeda.

"Não foi uma morte relacionada ao bitcoin. Ela tinha outras coisas em sua vida. Foi uma soma de diversos fatores. Parece que ela escolheu uma solução permanente para seus problemas de curto prazo", afirmou o executivo.