A IBM planeja lançar o primeiro serviço comercial de computação quântica em 2017. Foto: flickr/killermart.

Depois de lançar ofertas em tecnologias emergentes como inteligência artificial (Watson) e blockchain (Hyperledger e Fabric), a IBM vê os computadores quânticos como uma nova oportunidade de inovação.

A IBM planeja lançar o primeiro serviço comercial de computação quântica do mundo em algum momento deste ano. Nomeado IBM Q, o sistema será acessível em nuvem.

O sistema não superará os computadores convencionais (pelo menos não ainda). De acordo com a empresa, a oferta será crucial para o desenvolvimento de um mercado para futuras máquinas quânticas que podem lidar com cálculos complexos atualmente fora do alcance dos computadores clássicos. 

Um computador clássico tem uma memória feita de bits. Cada bit guarda um "1" ou um "0" de informação

Já um computador quântico mantém um conjunto de qubits. Um qubit pode conter um "1", um "0" ou uma sobreposição destes. Em outras palavras, pode conter tanto um "1" como um "0" ao mesmo tempo. 

O efeito prático é a possibilidade de resolver problemas que na computação clássica levariam um tempo impraticável. 

A nova oferta da IBM será baseada na experiência desenvolvida em torno do serviço de computação em nuvem existente da IBM: a Quantum Experience, que qualquer pessoa pode acessar gratuitamente. 

O sistema foi lançado em maio de 2016 e recebeu recentemente uma interface de usuário atualizada. A solução forneceu um meio para que pesquisadores praticassem a construção de algoritmos quânticos sem acesso ao seu próprio computador quântico.

Desde a abertura da oferta em nuvem, cerca de 40 mil pessoas já realizaram mais de 275 mil experimentos.

Para que mais pessoas testem a tecnologia, a empresa lançou na segunda-feira uma nova interface de programação de aplicativos (API), permitindo que os desenvolvedores construam novas integrações de software entre computadores clássicos e o sistema quântico.

De acordo com o Fortune, a IBM também está lançando um simulador que pode modelar circuitos de 20 qubits e, nos próximos meses, planeja lançar sistema completo desenvolvimento de software para programadores.

Embora a IBM não tenha especificado um prazo exato para a disponibilidade comercial do sistema, a empresa busca agora preparar clientes potenciais para pensarem sobre como a computação quântica pode se enquadrar em suas operações.