Antônio Vilaça Júnior, diretor de tecnologia do Sicoob. Foto: divulgação.

O Sicoob, sistema formado por cooperativas de crédito, apostou na criação de um laboratório próprio para criar as suas soluções de TI, adotando o modelo de desenvolvimento ágil.

Batizada de Laboratório de Inovação do Cooperativismo Financeiro (Cooplab), a estrutura foi criada em 2019 e reúne os times de tecnologia e de negócios para acelerar as entregas, que são todas desenvolvidas internamente.

O escritório, pensado no modelo open space, abriga cerca de 200 profissionais, mas esse número varia de acordo com o andamento dos projetos.

Segundo a cooperativa, cada projeto funciona como uma startup, com um squad para construir as soluções de forma conjunta para o Sisbr, sistema próprio da rede. 

O Sisbr compreende cinco plataformas: de canais de atendimento, de negócios, de gestão empresarial, de riscos e analítica.

“É uma infinidade de soluções tailor made, feitas de forma personalizada para o sistema cooperativo. A versão que roda desse core bank do Sisbr é a mesma em todos nossos três mil pontos de atendimento”, ressalta Antônio Vilaça Júnior, diretor de tecnologia do Sicoob.

O Cooplab fica em Brasília, assim como a sede do Sicoob, mas em uma área independente.

Segundo a cooperativa, toda sua tecnologia está na capital federal, incluindo dois data centers, que são responsáveis pelo processamento de todo volume transacional da rede. 

Um deles é próprio, localizado na sede do Sicoob, e outro é da Oi, alugado e gerido pelo Sicoob para servir como backup das operações.

Somando os funcionários próprios e terceirizados da área de TI, o Sicoob conta com cerca de 1 mil profissionais. Em 2011, quando o aplicativo do banco foi criado, esse número era cerca da metade.

Para se ter uma ideia no impacto do novo modelo de gestão de TI, a equipe fez 84 versões do app Sicoob no último ano, uma média de sete atualizações por mês.

Segundo a instituição, o destaque é a reformulação da interface, que teve a intenção de diminuir a quantidade de cliques na experiência do usuário.

Depois, foram implementadas diversas novas funcionalidades, como a opção de depósito por boleto e a possibilidade de aplicação e resgate em fundos de investimento.

Também foi incluída em 2019 a possibilidade de contratar seguros de vida e residencial por meio do aplicativo, além dos serviços relacionados a consórcio de bens e financiamento de veículos, como simulação e contratação.

De acordo com o Sicoob, muitas das atualizações recentes foram sugestões dos cooperados, como é o caso da acessibilidade para deficientes visuais.

No ano passado, também foi adicionada a funcionalidade SicoobPay, que permite pagamentos e saques via QR Code. 

Agora, a cooperativa faz testes para conectar a função ao PIX, sistema de pagamentos instantâneos do Banco Central do Brasil, e, a partir de novembro de 2020, deve estar aderente a esse projeto.

Segundo o Sicoob, mais de 78% das transações realizadas pelos cooperados em 2019 foram por meio dos canais digitais. Desse montante, cerca de 56% foram por meio de ferramentas mobile, fazendo o meio assumir a posição principal de relacionamento com os cooperados.

A instituição considera que a porcentagem de transações por meios digitais está na média do mercado, de acordo com o padrão utilizado pela Febraban. 

Segundo a instituição, os canais convencionais são os terminais de autoatendimento e os  caixas, enquanto os canais digitais são internet banking e mobile.

Nos primeiros anos, o crescimento dos canais digitais chegou a 400% ao ano e foi diminuindo progressivamente.

O Sicoob, portanto, acredita que o número esteja chegando a uma estabilidade, uma vez que o banco aposta na estratégia de modelo híbrido, sem abrir mão da opção presencial.

A instituição destaca, no entanto, que as cooperativas deixaram de gastar cerca de R$ 158 milhões em despesas administrativas e estrutura de pessoal em comparação com 2018, ano em que os canais digitais respondiam por 73% das transações.

Além do app principal, o ecossistema de aplicativos do Sicoob conta com o Faça parte, criado em 2017 e utilizado apenas para a abertura de contas, e o Moob, lançado em 2019 e voltado para o relacionamento institucional com os cooperados.

Entre as funções do Moob, estão itens como a apresentação de resultados, convites para eventos e assembleias e divulgação de cursos, além da comunidade de negócios, onde os cooperados podem anunciar produtos e fazer negócios entre si.

O Sicoob afirma ser o maior sistema financeiro cooperativo do país, com mais de 4,5 milhões de cooperados e atuação em todos os estados do Brasil. 

São mais de 2,9 mil pontos de atendimento em mais de 1,7 mil municípios e 42% de patrimônio líquido.

Somando canais convencionais e digitais, a instituição realizou 4,4 bilhões de transações no ano passado, o que representa um crescimento de 36% em comparação com 2018.