O Instituto Nacional de Infectologia é uma unidade da Fiocruz criada em 2010. Foto: Divulgação.

O Instituto Nacional de Infectologia (INI) reformulou sua infraestrutura de segurança de rede com o apoio da ITGX, que implementou os appliances FortiGate e FortiAuthenticator da Fortinet na organização. 

O INI é uma unidade da Fiocruz criada em 2010, voltada para a pesquisa clínica, ensino, serviços de referência e assistência a doenças infecciosas.

Anteriormente à implementação desse novo projeto, o INI trabalhava com software livre e toda sua infraestrutura utilizava máquinas Linux. 

“Começamos a sentir que precisávamos facilitar e potencializar a velocidade dos serviços executados. Como eu já havia trabalhado com a Fortinet anteriormente e conhecia a robustez dos produtos, entrei em contato com a ITGX para uma apresentação e demos início ao projeto de reformulação da TI”, conta Diogo Dias, gerente de redes da Fundação Oswaldo Cruz.

Segundo Dias, uma das principais necessidades do INI era segmentar o acesso dos usuários à internet. Por se tratar de um instituto de pesquisas com serviços hospitalares e de ensino, o recurso de segmentação por níveis de acesso era primordial.

“O filtro web fornecido pelo FortiGate nos possibilitou restringir e liberar o acesso em decorrência dos perfis dos usuários. Por exemplo, professores e alunos podem acessar vídeos durante a aula, sendo que para outros setores o streaming de vídeos é bloqueado”, explica. 

Além disso, após a implementação das soluções o INI identificou um ganho no desempenho de acesso de aproximadamente 20% em relação ao período anterior.

A Fortinet atende a mais de 210 mil clientes em todo o mundo. Em 2015, a subsidiária brasileira da companhia teve um crescimento de 36% em seus negócios, pouco abaixo da média global da companhia, que aumentou 37% e fechou o período com um faturamento de US$ 380 milhões.