Agora dá pra comprar até isso. Foto: reprodução.

O jeitinho brasileiro é capaz de tudo mesmo. Com o boom dos acessos a vídeos nacionais no Youtube e um avanço da monetização das visualizações, a nova moda é comprar pacotes de views e assinantes no site do Google.

Como destaca a Computerworld, as ofertas são divulgadas abertamente em sites de leilões como o Mercado Livre, com pacotes de acessos por cerca de R$ 50 reais, rendendo ao comprador 50 mil views.

Para quem quiser 100 mil views, o precinho fica mais camarada, saindo por R$ 90. Segundo respondem os vendedores, as visualizações não são obtidas de forma ilegal, com o uso de bots, e sim por meio de divulgação, o que faz a meta dos acessos levar de 2 a 10 dias para ser atingida.

Segundo resposta no anúncio de leilão, os acessos vem de usuários no exterior, e não incluem comentários.

Mas a oferta não fica somente nisso. Como "brinde", o comprador leva 40 likes e 40 assinantes no canal. Para os mais modestos, há pacotes menores, com 100 visualizações mais 30 inscritos por R$ 6.

Além dos views no YouTube, também existem anúncios vendendo fãs no Facebook e seguidores no Twitter.

Um pacote com 10 mil likes em uma página do Facebook, por exemplo, sai por R$ 200, enquanto que 5 mil novos followers no Twitter custam R$ 20.

FRAUDE

Uma denúncia publicada no jornal O Dia revelou informações sobre um esquema de fraudes que explica o grande número de acessos em pouco tempo.

Segundo o colunista Léo Dias, existe uma ferramenta automática para promover o aumento de visualizações por meio de acessos em celulares, burlando as diretrizes de segurança do Youtube.

Segundo a fonte, a cada um milhão de acessos, 950 mil são via mobile. Mas também há como comprar acessos "reais".

"O mobile cobra R$ 3 mil por um milhão de visualizações. Eu cobro R$ 7,5 mil. Mas se o sistema deles cai, eu cobro mais caro", diz.

Ao falar sobre seu esquema, Magalhães falou sobre o uso da prática no meio artístico, citando como exemplos os cantores de sertanejo universitário Gusttavo Lima e Luan Santana, que já teriam se beneficiado da prática.