Baguete
InícioNotícias> Mega compra canal de agro

Tamanho da fonte:-A+A

ERP

Mega compra canal de agro

Maurício Renner
// quarta, 06/06/2018 04:58

A Mega, empresa de sistemas de gestão sediada em Itu, no interior de São Paulo, comprou a Neo Partner, companhia sediada em Petrolina, no Pernambuco, que era responsável pelo desenvolvimento de produtos para o setor de agronegócio.

Agronegócio escapa da crise. Foto: Pixabay.

A Neo Partner tinha 30 clientes de ERP, incluindo nomes como Grupo Olho D’Água, Ibacem, Krauss Citrus, Coco do Vale e Agrodan. O valor do negócio não foi revelado.

"A Mega entende que ainda pode explorar muito deste segmento e está se fortalecendo para garantir o sucesso deste projeto, aumentando a sua capacidade produtiva e desenvolvendo novas soluções para atender a este nicho", afirma o diretor comercial da companhia, Giovanni Sugamosto.

Agronegócio é uma área em alta no país, mesmo com a crise econômica. As exportações brasileiras dentro deste segmento, por exemplo, somaram US$ 96,01 bilhões, em 2017, registrando aumento de 13% em relação ao ano anterior.

A pujança da agricultura se reflete nos resultados da Mega na área. De acordo com a empresa, o número de clientes de agronegócio aumentou em 25% no ano passado. 

Em 2016, a Mega faturou R$ 75 milhões, o mesmo resultado de 2015. Não foram divulgados números do ano passado.

A estratégia de incorporar os canais mais relevantes vem de algum tempo. Em 2014, a Mega anunciou a compra por um valor não revelado dos canais Mega Curitiba e Informaction Empresarial, além de uma participação não revelada na Mega Minas.

A Mega Curitiba era então o maior canal no país e responsável pelo desenvolvimento da vertical construção civil do seu ERP, atendendo a 150 clientes. A Informaction Empresarial era sediada em Campinas, atende ao segmento de indústria, com 80 clientes.

Já a Mega Minas era um parceiro de menor porte, parte do ecossistema há apenas cinco anos na ocasião. 

Atualmente, o setor que representa o maior faturamento da Mega é o de construção, com 50%, seguido por manufatura (30%) e serviços (10%). Os segmentos de combustível, agronegócio e empresarial são responsáveis por 10%. 

A Mega tem unidades em São Paulo, Paraná, Minas Gerais, Distrito Federal, Goiás, Espírito Santo, Pernambuco, Rio de Janeiro e Rio Grande do Norte.

Maurício Renner