Domingos Secco Jr, CEO da Alright.

Tamanho da fonte: -A+A

A Alright, uma startup gaúcha em alta no segmento de marketing digital, adotou o software de gestão para pequenas e médias empresas Business One da SAP, em um projeto com consultoria da Integrate.

O novo ERP vai desempenhar um papel chave na Alright, que atua na intermediação da compra de anúncios em sites na Internet, a chamada mídia programática.

A compra desse tipo de propaganda é feita de maneira automática em tempo real e com o B1 a espera fazer um rastreamento mais efetivo das receitas, custos e despesas que as transações geram a cada instante. 

“A solução vai permitir um acompanhamento contábil em tempo real para analisar com mais frequência e competência os resultados atingidos pela Alright e, por nossa rede de parceiros e clientes”, resume Domingos Secco Jr, CEO da Alright.

Em outubro do ano passado, a Alright recebeu o segundo aporte com recursos do Fundo Criatec 3, criado pelo BNDES e gerido pela KPTL. No total, o fundo já colocou R$ 5 milhões na startup.

Antes da KPTL, a tecnologia da empresa já havia chamado atenção de César Paz, um nome conhecido no mercado de tecnologia brasileiro por ter fundado a AG2, uma das maiores agências digitais do país.

Para os 300 veículos de comunicação cadastrados, principalmente os regionais ou especializados num tema, a startup oferece uma conexão com o ecossistema de mídia programática, buscando entregar um aumento de receitas com venda de espaço de publicidade.

Já para os anunciantes, a Alright garante aumentar o alcance e o impacto no perfil de cliente desejado, adotando rígidos padrões de compliance em relação à fraudes e fake news, um assunto quente hoje em dia.

Até outubro de 2020, a Alright já havia distribuido mais de R$ 2 milhões para os chamados publishers, mais do que o dobro do mesmo período de 2019.

A Integrate foi fundada em Porto Alegre em 2013, a partir das operações de B1 da ITS e da Quebec, dois grandes parceiros SAP, e é desde 2020 parceira Gold da SAP.

O B1 está no mercado nacional desde 2005. No ano passado, o Brasil foi líder em receita para o B1 no mundo, um feito ainda mais notável tendo em conta a situação atual do câmbio. 

Ao todo, são 7,5 mil clientes no Brasil, o que é uma cifra respeitável em um universo de 70 mil clientes em todo o mundo.