Erik Qualman falou no Linx Retail Forum.

Se você ainda tinha dúvidas sobre a importância da participação de sua empresa nas mídias sociais, Erik Qualman, autor do best seller Socialnomics (cujas vendas mundiais ficam atrás apenas da saga Harry Potter), dá a palavra final para acabar com elas: “as redes são o esteróide digital das vendas”.

Hoje, segundo Qualman, somente 18% das campanhas publicitárias de TV têm ROI positivo, enquanto a web social norteia as decisões de compra de 78% dos consumidores do mundo.

“A mídia social move o maior impulsionador de uma a marca, o boca a boca”, sentenciou o autor. “Só no Facebook, temos 1,1 bilhão de usuários. É um mundo de bocas! Isso é o Socialnomics”, acrescentou em palestra durante o Linx Retail Forum, em São Paulo, nesta terça-feira, 06.

Ou seja: sua dúvida não mora mais no dilema estar ou não estar nas redes, mas sim em como estar.

O especialista ensina.

“Quem deve controlar mídia social dentro de uma organização? O marketing? O geração Y contratado para isso? Não, quem controla é o consumidor. As mídias sociais têm de ser tratadas menos no que tange à tecnologia e mais no que toca o cliente final. Por isso, têm de estar no topo da gestão e tocar todas as facetas do seu negócio”, enfatizou o palestrante.

O esquema começa pela ponta, usando as mídias para ouvir o consumidor. Importante: não estamos falando só dos seus perfis nas redes, mas das redes em geral, que sua empresa tem de acompanhar e reparar se há comentário sobre a própria marca, marcas similares, seu setor, prós, contras, tudo.

Ouviu? Reaja.

“As publicações de seus consumidores mostram o que o mercado pensa de sua marca, de seu produto, de seu CEO. E se o consumidor posta, é porque ele quer se relacionar com você. Interaja. Dê resposta, em caso positivo ou negativo. Sua presença pode ser usada a seu favor, seja qual for a situação”, aconselha Qualman.

A interação pode se dar por meio de promoções para públicos seccionados, resposta rápida a elogios e reclamações, ações criativas no atendimento às demandas e por aí vai.

“As possibilidades das redes são imensas. Tudo tem uma sombra digital. Basta ver que 90% das crianças com menos de dois anos, algumas ainda nem nascidas, já têm presença em alguma rede”, afirmou o escritor.

Se mesmo com todos estes conselhos e alertas você, caro empresário, ainda tem seu pé atrás com as redes, acalme-se: até o próprio Qualman já duvidou delas. Mas passou.

“Logo que comecei a usar Twitter, achava a coisa mais boba que já tinha visto na vida. Eu não queria saber se você fez um sanduíche, ou se seu gato comeu seu sanduíche, ou o que mais seu gato fez. Hoje, acho uma das ferramentas mais fantásticas que temos. Ele me mostra quem compraria coisas relacionadas a sanduíche, a gatos e etc”, comentou o palestrante.
 
Para finalizar, o especialista indica quase que autoritariamente que você, empresário, não apenas use e use bem as mídias sociais, mas as use agora.

Isso mesmo, agora. Olhe pela janela. Está chovendo? Faça uma ação que possa potencializar seus produtos voltados a situações de chuva. Não vende galochas nem sombrinhas? Ok, pode ser um software de gestão de para o agronegócio, com recursos de gerenciamento de produção em função das questões climáticas. O importante é pegar o espírito, digo, o perfil, da coisa.

* Gláucia Civa cobre o Linx Retail Forum, em São Paulo, a convite da Linx.