Se virar MVNO, vão entregar bem mais que correspondência. Foto: Flickr.com/zyberchema

Os Correios decidem até novembro se vão ou não atuar como operadora virtual da telefonia móvel (MVNO), conforme planos anunciados em fevereiro do ano passado.

O projeto vem sendo analisado pela consultoria MVNC, que foi contratada por meio de pregão eletrônico em julho de 2012 para avaliar as possibilidades da estatal no novo mercado.

A consultoria também é encarregada por sugerir o melhor modelo de negócios e o formato de atuação - credenciada ou autorizada.

De acordo com Ara Minassian, responsável pelo projeto, a tendência é de que os Correios atuem nesse mercado já em 2013.

Como MVNO, a empresa poderia passar a oferecer serviços como vale postal digital e SMS para comunicar clientes sobre andamento de entrega de encomendas, por exemplo.

Ainda no ano passado, quando do anúncio da meta dos Correios, o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, destacou que, como a estatal não têm rede própria de telecom, compraria o direito de usar redes ociosas das operadoras do país, no caso de se tornar MVNO.

Para o ministro, os Correios teriam vantagens competitivas, pois venderiam créditos por preços mais baixos, inclusive em locais em que as empresas de telefonia têm menor presença.

A estatal tem mais de 12,5 mil agências, espalhadas por todos os municípios do país.

A forma de contratação de rede da operadora móvel também pende de decisão - licitação ou contratos com todas as concessionárias, como previamente sugerido por Bernardo, tudo está em avaliação.

BOM MERCADO

A mira dos Correios no mercado de MVNOS aposta em um segmento que, segundo dados da consultoria Europraxis, deverá faturar R$ 3,5 bilhões até 2015, somando de 10 milhões a 15 milhões de usuários no Brasil.

Publicado em novembro de 2010 pela Anatel, o regulamento de MVNOs no país permite que empresas sem frequências de rede operem no setor através de acordo com uma operadora móvel.

As primeiras licenciadas pela agência reguladora para atuar com este modelo no país foram Porto Seguro e Sermatel, ambas em parceria com a TIM.

Depois disso, Virgin Mobile e Datora, além da francesa Sisteer, também anunciaram MVNOs por aqui.