Tony Hemmelgarn, CEO da Siemens Digital Industries Software.

A Siemens Digital Industries Software quer reforçar sua atuação no processo de transformação digital das indústrias com o lançamento do Xcelerator, que combina o portfólio de software da Siemens para design, engenharia e fabricação com a plataforma de desenvolvimento low-code e no-code de aplicações da Mendix.

A novidade, anunciada durante um evento mundial em Nova Iorque, consolida a integração entre as empresas após a aquisição, feita agosto do ano passado por US$ 700 milhões,

Além da união em um portfólio conjunto, a Mendix conta com novos recursos a partir da união com a Siemens, como serviços em nuvem para engenharia digital e internet das coisas "powered by Mindsphere", sistema aberto da Siemens focado em IoT.

“A Siemens tem uma longa história de inovação por diminuir as fronteiras entre as áreas operacionais e de engenharia, unindo o mundo virtual com o real. O Xcelerator continua essa tradição”, afirma Tony Hemmelgarn, CEO da Siemens Digital Industries Software.

A Mendix é uma ferramenta de desenvolvimento que não exige conhecimento de programação. Além disso, pode ser integrada com sistemas de parceiros como SAP, IBM, Oracle e AWS.

"Podemos mudar o papel da TI de um provedor de tecnologia para um facilitador que permite que outras áreas do negócio criem aplicações para solucionar seus problemas. O departamento de TI não tem recursos ou tempo suficientes para atender a demanda atual. Com a Mendix, a TI mantém o controle e segurança do que está sendo feito enquanto oferece autonomia para as equipes", detalha Derek Roos, CEO da Mendix.

Fundada em 2005 na Holanda, a Mendix é uma empresa quente, tendo sido apontada como Visionária no Quadrante Mágico do Gartner para Enterprise Application Platforms as a Service em 2015.

A empresa já tinha um acordo com a SAP pela qual sua tecnologia era revendida pela multinacional alemã.

Novidades como o Xcelerator incentivaram uma mudança na nomenclatura da empresa, que passou de Siemens PLM Software, um nome mais ancorado no mundo dos softwares de gestão de ciclo de produto (PLM, na sigla em inglês), para Siemens Digital Industries Software.

Com isso, a empresa busca transmitir o crescimento de seu ecossistema e do portfólio de soluções, aplicativos, ferramentas e serviços para além do PLM e do CAD para um pacote mais completo focado na Indústria 4.0, no qual é necessário integrar o mundo da tecnologia operacional com o da tecnologia da informação.

"Estou animado por avançar para o futuro como Siemens Digital Industries Software, uma nova identidade que reflete nosso amplo portfólio de softwares e serviços de digitalização que mostram onde o design, a engenharia e a manufatura se encontram amanhã", destaca Hemmelgarn.

A unidade Siemens Digital Industries Software conta com mais de 22 mil funcionários espalhados por 250 escritórios em 36 países. O segmento atende a mais de 170 mil clientes.

Com todas as suas unidades, a Siemens AG possui mais de 379 mil colaboradores em todo o mundo. A companhia atua nas áreas de eletrificação, automação e digitalização, oferecendo soluções para geração e transmissão, infraestrutura e equipamentos médicos.

No ano fiscal de 2018, a Siemens registrou receita de € 83 bilhões, com lucro líquido de € 6,1 bilhões.

* Júlia Merker viajou a Nova Iorque a convite da Siemens Digital Industries Software.