por PUCRS
GLOBAL TECNOPUC

Exportar é alternativa. Mas como?

06/10/2015 13:50

O Global Tecnopuc Experience discutiu formas de realizar um processo de internacionalização.

O Global Tecnopuc Experience discutiu processos de internacionalização. Foto: Camila Cunha – Ascom/PUCRS.

Tamanho da fonte: -A+A

Com o dólar e o euro rondando superando os R$ 4, uma cotação que alguns economistas já apontam como o “novo normal”, somado a um cenário de recessão para pelos menos os próximos dois anos podem reativar o apetite do setor de TI brasileiro por exportações.

Agora, como conduzir um processo de internacionalização bem sucedido? Esse foi o tema do primeiro dia do Global Tecnopuc Experience, uma série de eventos visando abrir os trabalhos do Global Tecnopuc, novo prédio focado em inovação e colaboração construído pela PUCRS e HP no parque tecnológico gaúcho.

A primeira lição talvez seja um pouco frustrante para quem vê a exportar sua tecnologia como uma estratégia para escapar dos problemas imediatos do Brasil.

“Não dá para encarar internacionalizar uma empresa como uma corrida de 5km. É mais parecido com uma maratona, que exige treino e preparação prévia”, comenta Alexandre Steinbruch, coordenador de projetos de internacionalização da Anprotec.

Uma boa maneira de “treinar” são programas como o Land2Land, por meio do qual a Anprotec provê o que se chama de “soft landing”, com parcerias que oferecem uma entrada mais fácil por meio de parcerias em mercados de 12 países diferentes, incluindo Estados Unidos e Europa e também China, Índia e Coréia do Sul.

Parques tecnológicos também podem oferecer esse tipo de serviço, destaca Rafael Prikladnicki, diretor do Tecnopuc. Por meio de parcerias do parque, a desenvolvedora de software gaúcha Pandorga mantém uma operação em Londres há alguns anos.

No caminho reverso, o Tecnopuc também ajuda a trazer empresas para o país, como a ToughtWorks, multinacional de software que abriu sua primeira operação no Brasil em Porto Alegre, ainda 2009, na qual tem hoje 150 colaboradores. A empresa abriu ainda filiais em São Paulo, Recife e Belo Horizonte.

“Nós ajudamos com uma série de aspectos como instalações temporárias, informações sobre médias salariais e até mesmo orientações sobre onde os executivos deveriam alugar imóveis”, resume Prikladnicki.

A PUCRS colocou internalização entre as prioridades do seu planejamento estratégico 2011-2015 e deve incluir novamente no projeto atualmente sendo elaborado para 2016-2022. O assunto é um dos chamados “pilares” do Global Tecnopuc, junto com coworking, criatividade e networking.

De acordo com Prikladnicki, um dos benefícios do novo prédio é oferecer mais espaço para empreendedores estrangeiros em programas de intercâmbio, o que abre espaço para troca de ideias, e, quem sabe, projetos internacionais desde o nascimento.

O local também será sede dos eventos Cultura de Inovação, no qual são feitas apresentações sobre o ambiente de negócios de tecnologia em diversos países. Já foram mais de 10 eventos do gênero. Os próximos acontecem no final de outubro, sobre a Suíça, e em dezembro, sobre a Alemanha.

Com 4 mil metros quadrados (um acréscimo de quase 10% na área construída total de 50 mil) foi construído com um investimento de R$ 17 milhões. Diferente de todos os outros prédios existentes no Tecnopuc, o novo espaço não abrigará empresas.

Estará dedicado a receber projetos temporários realizados entre os diferentes públicos que se relacionam com o Tecnopuc: empresários de grandes players mundiais, de startups e spin offs, alunos, professores, pesquisadores, além de representantes de instituições públicas e privadas.

Atualmente o Tecnopuc abriga 124 operações e reúne mais de 6,5 mil pessoas.  

Confira abaixo a matéria de Adriana Dall’Agnol da Comunicação da PUC-RS sobre a palestra abordando Internacionalização no Global Tecnopuc Experience.

Veja também

NOVO PROGRAMA
Raiar e Tecna focam indústria criativa

O Garagem Criativa Coworking é um programa voltado para empresas da indústria criativa.

PARQUE
Randon chega ao Tecnopuc

A empresa vai se instalar no parque por meio do Instituto Hercílio Randon (IHR).

OPORTUNIDADE
Global Tecnopuc tem evento

Local recebe ciclo de atividades que pretende apresentar as quatro áreas que são os pilares do Global.