Virgilio Gibbon, CEO da Afya. Foto: divulgação.

A Afya Educacional, grupo de faculdades focado em medicina, anunciou a aquisição da MedPhone, startup recifense com aplicativo de suporte à tomada de decisões clínicas, em uma operação de R$ 6,4 milhões.

A MedPhone foi fundada em 2018 por Ricardo Maranhão, médico nefrologista que atua em três hospitais de Recife, e por Haroldo Gondim, desenvolvedor com passagens pelas empresas Ehureka, Cesar, HP, Motorola, Provider e Unimed Caruaru.

Seu aplicativo é o chamado "beira de leito", pois oferece suporte ao profissional de saúde no atendimento ao paciente de diversas formas.

Ele dá acesso a mais de 8 mil bulas de remédios, por exemplo, calculando as diluições necessárias para as medicações prescritas ou informando os preços dos remédios praticados em todos os estados do país.

Com mais de 58 mil usuários ativos mensais, o MedPhone é segundo app mais consumido por médicos, estudantes de medicina e demais profissionais da saúde.

Após a venda, Maranhão e Gondim devem se juntar ao time da Afya.

Essa é a terceira healthtech adquirida pela Afya nos últimos meses. Em julho, a empresa comprou a PEBMED, líder no mesmo segmento da MedPhone e, em julho, anunciou o compromisso de compra da iClinic, plataforma de serviços digitais para médicos.

“Nossa empresa é vocacionada para cuidar e dar suporte a toda a jornada do médico, desde a graduação até a última especialização. A chegada de healthtechs ao grupo Afya já está desenhada há mais de um ano e reforça ainda mais essa vocação”, destaca Virgilio Gibbon, CEO da Afya.

Para a companhia, essas startups ganham ainda mais relevância com a pandemia, com profissionais de saúde sobrecarregados e diante de desafios inéditos, dando mais agilidade e eficiência para que o médico possa se concentrar na sua atividade junto aos pacientes.

A Afya nasceu em 2019 com a fusão entre as marcas NRE Educacional e Medcel e a abertura de capital na Nasdaq, mas a primeira faculdade de medicina do grupo começou a operar em 1999, no Tocantins. Desde então, formou mais de 10 mil médicos.

Com 2.303 vagas anuais, hoje a oferta de cursos de graduação da Afya chega a 10 estados e a pós-graduação médica, a 10 capitais brasileiras.