Hackers são uma parte central do mundo da espionagem.

A agência de espionagem americana NSA decidiu abrir o código do Ghidra, uma solução criada internamente para fazer engenharia reversa de software.

O anúncio foi feito nesta semana durante a conferência de segurança RSA, em São Francisco.

O Ghidra permite “descompilar” software, transformando malware e outras ameaças em código que pode ser lido por analistas.

De acordo com a Wired, já existem outros produtos similares no mercado, como o IDA, mas o Ghidra vem sendo trabalhado dentro da NSA por anos, visando problemas reais, e, principalmente, agora é de graça.

Em palestra na RSA, um especialista da NSA disse que liberar o software é uma espécie de estratégia de recrutamento, ao permitir a profissionais de fora da agência terem contato com as soluções usadas internamente. 

O software também não era mais tão secreto assim. Em março de 2017, um vazamento divulgado pelo Wikileaks já mencionava a existência da ferramenta, ainda que não disponibilizasse o código.

Por outro lado, hackers já tomam todas as providências necessárias para tornar o processo de engenharia reversa do seu software o mais complicado possível, e o acesso ao Ghidra não deve fazer muita diferença nesse sentido.