Dirk Wagener. Foto: Baguete.

A SAP começa em julho as obras de ampliação do seu centro de desenvolvimento e suporte localizado em São Leopoldo.

Com a expansão, que deve ser concluída num prazo de até 14 meses, a área do centro dobrará, chegando a aproximadamente 2,5 mil metros quadrados.

Hoje com 514 empregados – foram 180 contratações só no ano passado – o SAP Labs Latin America terá lugar para mais 552 colaboradores.

“Teremos mais espaço para clientes, parceiros e nossos colaboradores, sem abrir mão das exigências quanto à sustentabilidade”, aponta Dirk Wagener, vice-presidente de consumer development do SAP Labs Latin America.

Diferente do que foi feito na construção do primeiro prédio, inaugurado em 2009, quando a Tedesco executou a obra por um orçamento fechado na faixa dos 17 milhões de euros, dessa vez a SAP vai se envolver diretamente na administração da obra, afirma Fabiano André Hennemann, coordenador de Facilities do centro.

Hennemann e Wagener foram os anfitriões de uma visita guiada para jornalistas europeus e americanos no centro nesta segunda-feira, 07, da qual participou também a reportagem do Baguete Diário.

Os executivos não abriram dados do orçamento e demais detalhes sobre o planejamento da obra.

Segundo o Baguete pode apurar junto a fontes próximas da negociação, a multinacional alemã está fazendo no momento os últimos ajustes em um novo contrato com a Tedesco que deve ser assinado nos próximos dias.

O aquecimento dos custos da construção civil brasileira fez a SAP relutar em começar a ampliação.

No começo de 2011, o então presidente do centro, o holandês Erwin Rezelman – que saiu da SAP em janeiro – chegou a afirmar que a expansão poderia ser posposta para depois da Copa de 2014, em uma estratégia para escapar do boom dos preços.

Ao longo do último ano, o SAP Labs já estava locando salas em um dos prédios do Tecnosinos para abrigar os funcionários extra.

O aquecimento do mercado brasileiro pode ter ajudado à tirar da gaveta os planos de expansão.

Em março, a SAP Brasil divulgou que está no meio do caminho para alcançar a estratégia anunciada em 2010 de triplicar a receita de software até 2014.

Dois anos depois de anunciada, 52% da meta já foi atingida, com impulso de soluções complementares que tiraram o ERP do motor de expansão.

A subsidiária brasileira da multinacional já é a terceira maior do mundo.

O próprio evento de hoje não deixa de ser um sinal do prestígio verde amarelo na organização.

Pela primeira vez, a SAP trouxe ao país jornalistas estrangeiros de publicações como Financial Times, Computerworld UK e USA Today, em um roteiro que começou pelo SAP Labs e deve incluir também a sede e São Paulo, além de visitas a clientes como Braskem e Pão de Açúcar.