Florianópolis, São José, Palhoça e Biguaçu utilizam a ferramenta.

A Unimed Grande Florianópolis e a Laura, startup de inteligência artificial, estão oferecendo a solução de triagem P.A. Digital para as prefeituras da região, com o intuito de prever a demanda por atendimento a casos suspeitos de infecção pelo novo coronavírus.  

Ao todo, os 17 municípios abrangidos pela cooperativa deverão utilizar a ferramenta, que já está nas quatro maiores cidades da região: Florianópolis, São José, Palhoça e Biguaçu. A plataforma poderá monitorar até 1,1 milhão de pessoas.

Através de site ou número de telefone disponibilizado por cada prefeitura, os moradores são atendidos por uma assistente virtual, para a qual devem responder a um questionário de triagem de casos.

Com artifícios da tecnologia cognitiva e processamento de linguagem natural, os moradores identificados com sintomas do novo coronavírus são encaminhados às unidades de atendimento hospitalar do município. 

Em uma plataforma de previsão dos pacientes monitorados, a equipe que faz a gestão dos casos consegue mapear a evolução de cada quadro e quais precisam receber atendimento com prioridade.

Para as situações classificadas como não criticidade, o morador recebe orientações de prevenção e acompanhamento do quadro de saúde pelos 14 dias seguintes, até ser descartada a infecção pelo coronavírus ou identificada a necessidade de atendimento médico.

O serviço também permite prever com antecipação a demanda por Covid-19 e os testes a serem realizados, de modo a identificar quantos e quais pacientes estão a caminho de hospitais para o atendimento e se há sinais de gravidade relatados. 

Todos os dados inseridos no sistema são de propriedade dos municípios. 

“Tudo o que estiver ao alcance para somar forças às equipes de saúde na pandemia é bem-vindo. Tecnologias como essa, de alta performance, dão respostas rápidas, ajudam nas tomadas de decisões e, principalmente, protegem vidas”, afirma Théo Fernando Bub, presidente da Unimed Grande Florianópolis.

A cooperativa já utilizava a solução original da Laura, especializada na identificação de sepse, mais conhecida como infecção generalizada e, com a Covid-19, aderiu à sua nova ferramenta.

“A pandemia trouxe uma grande necessidade de digitalização aos serviços de saúde. Com o P.A Digital, a população pode ter acesso aos serviços de atenção primária à saúde, avaliando sintomas do novo coronavírus sem sair de casa”, ressalta Cristian Rocha, CEO da Laura.

A Laura está no mercado desde 2016. Sua plataforma já teve aproximadamente 2,5 milhões de pacientes conectados e reduziu em 25% a taxa de mortalidade hospitalar, salvando uma estimativa de 12 vidas por dia.

Em março deste ano, a startup criou o Laura P.A. Digital para contribuir com a otimização dos recursos de saúde e auxiliar gratuitamente os hospitais no período de pandemia. 

A solução está em hospitais como a Santa Casa de Porto Alegre e o Hospital Alemão Oswaldo Cruz, de São Paulo.

Fundada em 1971, a Unimed Grande Florianópolis detém 62% do market share da região. São mais de 1,6 mil médicos cooperados, 96 laboratórios, 27 hospitais e 276 clínicas.