EXCLUSIVO

Ideval Munhoz sai da T-Systems

07/11/2018 12:19

Angélica Vitali, atual vice-presidente de Delivery da companhia, ocupará o cargo interinamente.

Ideval Munhoz.

Tamanho da fonte: -A+A

Ideval Munhoz não é mais CEO da T-Systems no Brasil, em meio a um momento de transição na gigante alemã de serviços de tecnologia em nível mundial.

Angélica Vitali, atual vice-presidente de Delivery da companhia, ocupará o cargo interinamente.

A executiva ingressou na Gedas em 2003, para atuar na expansão dos negócios fora do Grupo Volkswagen. Com a integração da Gedas à T-Systems, em 2007, passou por alguns cargos no Brasil, incluindo o centro de desenvolvimento instalado em Blumenau.

Em nota distribuída para a imprensa, o vice-presidente sênior da unidade internacional de vendas da T-Systems, Steffen Schlaberg, disse que as mudanças fazem parte de um programa de "transformação global", que visa "ter uma empresa mais ágil, orientada ao cliente e estruturada por portfólio".

Em setembro, a T-Systems anunciou um plano de demissões visando cortar 10 mil posições em até três anos, um pouco mais da metade deles na matriz, na Alemanha.

O corte representa mais de um terço da equipe total, que chega a 37 mil. Os cortes devem ser especialmente duros na camada gerencial, na qual o plano é reduzir o número de camadas hierárquicas de oito para três, cortando até 40% das posições. A meta é economizar € 600 milhões.

A T-Systems teve um prejuízo de € 1,36 bilhões em 2017, com o faturamento caindo € 1 bilhão, para € 6,9 bilhões.

O faturamento está em queda desde 2012 e a empresa está no vermelho desde 2009.

Ideval assumiu o cargo em 2012, vindo da indiana HCL, colocando já na saída a T-Systems em outro patamar no país.

Durante uma década, a unidade brasileira funcionava em um regime de “co-gestão”, sob o comando de diferentes membros do seu conselho administrativo.

Ao longo da sua gestão, Munhoz ampliou a penetração da T-Systems em clientes locais, diversificando uma carteira que até então era mais concentrada na operação de grandes multinacionais alemãs como a Volkswagen, com quem a companhia tinha contratos fechados pela matriz.

A empresa se tornou um player relevante no mercado de projetos de SAP e nos últimos tempos vem ensaiando uma série de acordos focados na área de Internet das Coisas.

Recentemente, a T-Systems fechou o que deve ter sido um dos seus maiores contratos no país, assumindo por 10 anos três centros de dados da Atento, maior empresa de call center e terceirização de processos de negócios do Brasil.

Antes de chegar à T-Systems, Munhoz trabalhou por três anos na HCL, como executivo líder das operações brasileiras da empresa indiana.

Na HCL, Munhoz esteve à frente de projetos como a instalação de uma unidade da empresa na Unisinos, em São Leopoldo.

Ele também tem passagens pela Satyam Computer Services, onde atuou como gerente para a América Latina, e pela CPM Braxis, como diretor de vendas.

A T-Systems é uma empresa do grupo Deutsche Telekom, que fornece soluções de outsourcing de tecnologia da Informação e comunicações, de aplicações a infraestruturas de TI e telecom.  Presente no Brasil desde 2001, conta com 13 escritórios e dois data centers.

* Atualizado às 16h51, com informações da T-Systems sobre a executiva que assume o posto interinamente.

Veja também

DÉCADA
T-Systems assume DCs da Atento

Contrato é de 10 anos.

EDUCAÇÃO
Kuhn, ex-Terra, está no Grupo A

Kuhn será responsável pelos negócios Blackboard e Symplicity.

CADEIRAS
Beninatto, ex-Unisys, é VP na Sonda

Helcio Beninatto é o novo VP de vendas privadas da Sonda no Brasil.

GESTÃO
Nina concentra poder na Sonda

O executivo passou a comandar diretamente as atividades da CTIS e da Sonda TI.

ÍCONE
Galló tem sucessor na Lojas Renner

Galló é um ícone entre os executivos brasileiros.

NUVEM
Neogrid migra para Azure

Em julho, uma equipe da Neogrid esteve em Seattle, na sede da Microsoft, para treinamentos.

EQUIPE
GFT contrata diretor comercial

Saulo Santos terá foco nas competências de suporte à evolução da indústria financeira.

REFORÇO
Oliveira, ex-CA, vai para ASG

Assim como a CA, a ASG tem um dos seus fortes projetos com tecnologia de mainframe.