COVID-19

Vacina russa no Paraná: acordo não saiu do papel

07/12/2020 10:57

A cooperação foi assinada em agosto e os testes começariam em outubro.

Foto: Pixabay.

Tamanho da fonte: -A+A

O acordo entre o Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar) e o Fundo de Investimento Direto da Rússia para a testagem e eventual produção da vacina Sputnik V no Brasil foi assinado em agosto, mas até hoje não saiu do papel.

Segundo o site Uol, a parceria previa a submissão de dados sobre a Sputnik V à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) em setembro e a realização de testes da vacina em outubro. No entanto, nada aconteceu até agora.

Enquanto isso, a própria Rússia começou a imunizar sua população com a vacina no último sábado, 5. Já a Argentina, que também fechou um acordo com os russos, anunciou que disponibilizará as doses a seus cidadãos em dezembro ou janeiro.

A Rússia havia anunciado resultados na última fase de testes da Sputnik V, a fase 3, no final de novembro. 

Segundo autoridades do país, a vacina tem eficácia de mais de 95% após a aplicação da segunda dose. Os dados, porém, ainda não foram revisados e publicados por uma revista científica.

Procurado pela publicação, o Tecpar não detalhou o que impediu o avanço da cooperação, apenas informou que o fundo de investimento russo alterou o projeto negociado com o Brasil. O instituto declarou que aguarda uma definição da Rússia para que a parceria avance. 

O site também entrou em contato com o Fundo de Investimento Direto da Rússia, mas o responsável pela divulgação das informações recebeu as mensagens e não respondeu. 

Em outubro, o Fundo chegou a divulgar uma nota informando que havia enviado documentos sobre a Sputnik V à Anvisa. Eles serviriam para iniciar o processo de registro da vacina de acordo com as regras do Brasil. 

Ainda de acordo com o Uol, a Anvisa confirmou ter mantido contato com membros do governo do Paraná e o do Tecpar sobre o processo de registro da vacina. As reuniões realizadas, no entanto, seriam de caráter preliminar e serviram somente para antecipar eventuais demandas futuras.

Atualmente, a Anvisa acompanha os testes de quatro vacinas no Brasil: a desenvolvida pela AstraZeneca com a Universidade de Oxford, do Reino Unido; a da Sinovac com o Instituto Butantan, da China; a da Pfizer-Wyeth, dos Estados Unidos e Europa; e a da Janssen-Cilag, também europeia. 

Veja também

CORONA
Lamb assume Comitê de Dados da Covid no RS

Secretário de Ciência e Tecnologia lidera grupo que apoia decisões relativas à pandemia.

CASE
Como o Uruguai está vencendo o coronavírus

País teve poucas mortes por uma combinação de testes e tecnologia, com destaque para um aplicativo de celular.

FALHA
Nova exposição de dados no Ministério da Saúde

Desta vez, credenciais de sistema estavam expostas na função “inspecionar elemento” dos navegadores.

ELEIÇÕES
Hacker preso por ataque ao TSE

Grupo que vazou dados do tribunal tem integrantes brasileiros e portugueses.

ESTRAGO
Vazamento expõe dados de quem fez teste da Covid-19

Funcionário do Einstein teria publicado senhas que dão acesso a informações de 16 milhões de brasileiros.

AGRÍCOLA
YAK recebe aporte de R$ 1,2 milhão

Investimento na fabricante de tratores elétricos veio do programa Finep Startup, vinculado ao MCTIC.

LABORATÓRIOS
Grupo Pardini integra dados com Infor

Projeto da ferramenta Symphony deve ter as entregas do primeiro sprint em dezembro.

MINAS GERAIS
Santa Casa monitora risco de Covid-19 com Cyberlabs

Aplicativo mede temperatura e controla sintomas de funcionários e visitantes no acesso ao hospital.

JOBS
Fiverr chega ao Brasil

Empresa é uma espécie de marketplace que conecta empresas a freelancers.

CONVERSÃO
Quality troca Salesforce por Bitrix24.CRM

Empresa aumentou as vendas em 15% e reduziu custos em mais de R$ 50 mil por mês.