Touchscreen e Windows 8 são as novas preferências da Intel. Foto: divulgação.

A Intel, fabricante de processadores e componentes para computadores, destacou que a próxima geração de ultrabooks obrigatoriamente terão telas sensíveis ao toque.

Segundo destaca a Folha, a fabricante anunciou a nova determinação durante a Consumer Electronics Show (CES), feira que acontece nesta semana, em Las Vegas.

A nova especificação será para aparelhos com a quarta geração de processadores Core i3/i5/i7, apresentada pela fabricante de chips no ano passado. Os chips da nova linha são aguardados para junho.

Kirk Skaugen, vice-presidente e gerente-geral do grupo PC Client da empresa, anunciou que os processadores reduzirão o consumo de energia, permitindo que a bateria dos ultrabooks tenha até nove horas de autonomia - um aumento de 80% em relação às baterias atuais.

"É a mais significativa melhoria na capacidade da bateria na história da Intel", disse o executivo.

Adotando a touchscreen como padrão, a Intel deve investir pesado no uso de dispositivos móveis híbridos com Windows 8, focando principalmente no sistema operacional da Microsoft.

ULTRABOOK?

Patenteada pela Intel, o ultrabook é uma categoria de notebooks criada pela empresa, e para serem reconhecidos como tal, as fabricantes de computadores devem atender a certas especificações.

Inicialmente, as especificações principais que configuravam um ultrabook era a espessura máxima (18 mm para aparelhos com 13,3 polegadas ou menores) e velocidade de inicialização de até sete segundos.

BRASIL

Não está claro que efeito pode ter a nova diretriz da Intel no mercado brasileiro. A Positivo, líder no mercado brasileiro de PCs, não incluiu nenhum modelo com tela touch entre seus lançamentos para o Natal de 2012.

Na maioria dos seus notes, a empresa tem adotado o conceito de ultrafino, lançando notes que já não tinham todos os requisitos para qualificarem como um ultrabook.

De acordo com avaliação feita no lançamento por Hélio Rotemberg, presidente da Positivo, o uso de uma tela touch para um note de tela de 14 polegadas signicaria hoje um aumento de R$ 500 no preço final e um produto inviável comercialmente.

No entanto, o presidente da Positivo avalia que ganhos de escala na produção derrubarão os preços, fazendo que o custo adicional para ter telas touch fique entre R$ 200 e R$ 300, o que pode gerar uma oferta grande de touch barato para o Natal de 2013.

Ao fazer uma comparação entre modelos mais básicos de ultrabooks com os produtos híbridos - a determinação da Intel a partir de agora - a distância dos preços é grande.

Atualmente, enquanto é possível encontrar ultrabooks na faixa dos R$ 2 mil, modelos como o Yoga 13, da Lenovo, que mistura ultrabook e tela touch removível, chegam às lojas na faixa dos R$ 8 mil.