Veja o Curie. Foto: divulgação.

Na corrida dos dispositivos conectados vestíveis - os chamados wearables - a Intel apresentou um inovador conceito nesta quarta-feira, durante a Consumer Electronics Show (CES), em Las Vegas: um computador do tamanho de um botão de camisa.

O Curie foi apresentado pelo CEO da companhia, Brian Krzanich, que destacou que o dispositivo poderá ser utilizado em diversos tipos de wearables, até mesmo pequenos dispositivos movidos à bateria, podendo rodar por dias ou meses.

“Este produto poderá entregar wearables em uma vasta gama de formas. Ele pode ir em anéis, pingentes, bolsas e botões em nossas jaquetas", exemplificou o executivo. A informação é da PC World norte-americana.

O Curie é baseado em uma placa Quark de baixo consumo de energia, com comunicação bluetooth com outros equipamentos. Ele também conta com um sensor de movimentos para detectar passos, por exemplo.

Na demonstração realizada durante a feira, o presidente da Intel mostrou o dispositivo monitorando seus passos e batimento cardíaco em tempo real, com seus resultados sendo transmitidos em tempo real para um smartphone.

Em meio ao festival de novidades relacionados à dispositivos vestíveis e Internet das Coisas que está sendo a CES, a Intel pretende causar um grande impacto com o Curie, de olho em produtos como smartwatches, sensores de fitness e visores de realidade aumentada.

Segundo analistas, a companhia, que já tem seu nome estabelecido no mercado de notebooks e desktops, o próximo passo é chegar com tudo nesta frente para vender mais chips.

“Wearables são uma extensão natural da computação. Eles são ultra pessoais", afirmou Krzanich.

A companhia anunciou em 2014 diversas investidas nesta direção, estabelecendo parcerias com marcas como Luxxotica (fabricante da marca Ray-Ban) e Oakley, com a qual está desenvolvendo óculos inteligentes para atletas.

De acordo com fontes de mercado, a eficiência energética do Curie poderá dar à Intel uma vantagem competitiva para o iniciante mercado de wearables, um mercado em que a ARM e MIPS atualmente competem.

O Curie é uma evolução do que a Intel ensaiou no início do ano com o lançamento do Edison, chip do tamanho de um cartão mini SD, que competiu no mercado de smartphones e teve um sucesso moderado em equipamentos como robôs, drones e eletrônicos menores.