A Epson vai produzir a PaperLab, primeira máquina de reciclagem de papel para escritório. Foto: Divulgação.

A Epson vai produzir ainda neste ano a PaperLab, primeira máquina de reciclagem de papel para escritório. O equipamento é capaz de produzir papel novo a partir de resíduos de papel triturado, sem a necessidade de utilização de água.

A empresa planeja começar a produção comercial do novo equipamento em 2016 no Japão. Depois, há planos para levar o produto para outras regiões do mundo. 

Com a PaperLab é possível produzir papéis com tamanhos, espessuras e gramaturas diferentes, a partir de papéis utilizados e descartados nas empresas.

Um protótipo do produto foi apresentado na Eco-Products 2015, uma exposição sobre tecnologias sustentáveis, que foi realizada em Tóquio entre 10 e 12 de dezembro.

Atualmente, o processo de reciclagem é longo e, geralmente, inclui o transporte de resíduos de papel do escritório para o centro de reciclagem responsável. A PaperLab concentra todo processo de reciclagem no próprio local, sem precisar de logística de descarte.

O sistema gera um papel novo depois de três minutos após receber o resíduo. É capaz de produzir cerca de 14 folhas por minuto e 6.720 folhas A4 em um dia de oito horas de trabalho.

A PaperLab utiliza a tecnologia Dry Fibere da Epson, que produz papel sem a utilização de água no processo de reciclagem, como acontece nos sistemas convencionais. 

O papel usado é aglutinado mecanicamente com o uso de um mecanismo original que transforma papel em fibras longas e finas.  

No Brasil, a Epson iniciou suas operações em 1982, em 1997 inaugurou sua fábrica em Barueri (Grande São Paulo), ocupando uma área de 19 mil m².