A Social Bank vai ampliar sua atuação no modelo de Banco & Cafeteria. Foto: Pexels.

O Social Bank, sistema para transação monetária a partir de contas de pagamento digital, vai investir R$ 240 milhões em 2019 para ampliar sua atuação no modelo de Banco & Cafeteria, iniciado em setembro do ano passado.

O modelo é inspirado no banco americano Capital One e aberto para o público em geral.

A expansão vai contar com a construção de novas agências Social Bank em 40 cidades já mapeadas para primeira fase, além de 80 na segunda etapa.

O espaço permite a presença todas as empresas do grupo, com time de vendas, administrativo e marketing, seguindo o modelo Banco & Cafeteria. 

A empresa oferece serviços financeiros e de empréstimos diretamente entre pessoas, mas atua em diversas frentes. Através de sua conta corporativa, permite o pagamento de salários no ramo de agronegócio e usinas, por exemplo, atingindo a colaboradores que previamente recebiam em espécie. 

No ramo de salários, é especializada na aquisição de contas de call center, tendo como público principal os jovens atendentes, de 18 a 24 anos, em maioria no seu primeiro emprego, oferecendo uma experiência totalmente digital.

O Social Bank comprou também recentemente uma empresa no ramo de adquirência, que oferece soluções de pagamento com maquininhas POS e recebimento por QR code, iniciando suas atividades já com a capilaridade das empresas do Grupo Sforza, de Carlos Wizard Martins.

Em sua sede de Uberlândia, o Social Bank possui espaço de coworking e cafeteria anexa, criando um ecossistema completo na cidade, que será replicado para as 40 cidades escolhidas pelo Social Bank.

“O que podemos dizer é que o Social Bank está olhando para públicos específicos, nichados e presentes em todo o país. Com nossa inteligência de mercado aliada as nossas empresas, produtos, e um bom café, seremos capazes de instalar, cidade por cidade, o propósito do Social Bank para que em pouco tempo possamos impactar positivamente o dia-a-dia das pessoas”, comenta Rodrigo Borges, CEO do Social Bank.

O café funciona para o Social Bank como uma porta de entrada para uma primeira experiência de pagamentos para não-clientes e como fortalecimento de relacionamento para os consumidores já atendidos pela empresa. 

“Com o Social Café temos na ‘varanda de casa’ um laboratório de inovação aberto para todos os nossos clientes e não clientes, onde testamos e validamos novas soluções de pagamento com propósito de facilitar a vida das pessoas, onde conseguimos aprender e validar o resultado muito rapidamente”, comenta Alisson Idalo, Diretor de Produtos e UX do Social Bank.

A cafeteria possui um aplicativo no qual os clientes podem pedir os itens do cardápio e pagar a conta pelo celular. O estabelecimento recebe os valores através da conta corporativa do Social Bank.