Baguete
InícioNotícias> Artecola pede recuperação judicial

Tamanho da fonte:-A+A

NEGÓCIOS

Artecola pede recuperação judicial

Júlia Merker
// quinta, 08/02/2018 11:40

A FXK e suas controladas, incluindo a Artecola Química, ingressaram com pedido de recuperação judicial junto ao Judiciário do Rio Grande do Sul. 

A FXK e suas controladas, incluindo a Artecola Química, pediram recuperação judicial. Foto: Divulgação.

O movimento não afetará as operações, entregas e o atendimento aos clientes, que seguirão em ritmo normal. 

De acordo com a companhia, a origem das dificuldades que levaram ao pedido não foi o negócio químico, e sim investimentos do passado, alguns deles dependentes de contratos com o poder público. 

“Apesar da crise financeira na Artecola ter se iniciado em 2015, durante dois anos mantivemos nossos pagamentos em dia, conservando nossa tradição de quase 70 anos em honrar compromissos. No entanto, recentemente, a saúde financeira da empresa teve sérios abalos em função desta situação. Nos últimos dias, bloqueios e impedimentos quase que diários prejudicaram o dia a dia da companhia, inviabilizando a gestão saudável das finanças. Alguns credores mais afoitos acenaram com pedidos de falência. Diante disso, optamos pela manutenção dos empregos e continuidade dos negócios através da recuperação judicial”, informa o comunicado da companhia.

O Jornal do Comércio relata que os problemas iniciais estariam na MVC, uma operação que não foi exitosa em sociedade com a Marcopolo, com sede em Caxias do Sul. As duas corporações gaúchas montaram uma empresa para atuar em projetos de construção, como de creches públicas. 

Também no começo de 2017, o FXK fechou a Artflex, que produzia calçados, para se concentrar na área química, que é sua origem. A Artecola foi fundada há 70 anos pela família Kunst.

"O objetivo do pedido é proteger o negócio químico, que é saudável e capaz de oferecer resultados positivos a todas as partes interessadas, e assim seguir gerando valor. As operações, entregas e os atendimentos aos clientes seguirão em ritmo normal, não sendo afetados por este movimento", completa.

Júlia Merker