Daniel Randon, Rudi Pelissari e Carlos Roberto Arins do Nascimento durante o SAP Forum em São Paulo. Foto: Sidnei Géa, divulgação.

A Pelissari, parceira da SAP sediada em Curitiba, assumiu o contrato de gerenciamento de aplicações do sistema de gestão da Randon para os níveis dois e três.

O nível dois inclui atividades de suporte a negócio e o três a configuração do ERP da SAP.

Com o contrato, fechado no começo de março, 16 colaboradores do grupo gaúcho responsáveis pelo nível dois foram contratados pela Pelissari e estão trabalhando na filial da empresa em Caxias do Sul.

A Pelissari já fazia o suporte de nível três da empresa desde 2012 e ganhou agora o contrato completo, uma vez que a RFP da Randon previa a renegociação. 

O suporte de nível um, focado em atividades de help desk, é feito internamente na companhia.

“A Pelissari já tem outros contratos de AMS no Rio Grande do Sul, o que dá mais escala para a operação deles e torna mais viável a parceria com a Randon”, afirma Carlos Roberto Arins do Nascimento, gerente executivo do Centro de Serviços Compartilhados da Randon.

A companhia paranaense já atende o AMS da Marcopolo e ganhou no ano passado a CMPC Celulose Riograndense, um contrato que estava com a paulista Sonda IT.

A Pelissari faturou R$ 70 milhões em 2014, uma alta de 25% frente aos resultados do ano anterior.

Ao longo do ano passado, a empresa fez o go live de alguns projetos de implementação de ERP de porte, incluindo a fabricante de tubos e conexões Tigre e a fabricante de azeites La Violetera.

Para 2015, a previsão é manter o ritmo do ano passado, atingindo R$ 87 milhões. A empresa tem hoje 450 funcionários, o que faz dela um nos maiores players do mercado SAP do Brasil.

O grupo Randon controla oito negócios nos segmentos de implementos rodoviários, ferroviários, veículos especiais, autopeças, sistemas automotivos e serviços.

Nos dois últimos anos, a empresa vem sentindo os efeitos da contratação da economia, mas ainda assim é um dos grandes grupos industriais do país. 

O faturamento esperado para 2015 é de R$ 4,4 bilhões, uma queda de 21% frente aos resultados de 2014.