A Linx encerrou o primeiro trimestre com receita operacional bruta (ROB) de R$ 117,2 milhões. Foto: Divulgação.

A Linx, empresa de software para o varejo, encerrou o primeiro trimestre de 2015 com receita operacional bruta (ROB) de R$ 117,2 milhões, um aumento de 27% em relação ao mesmo período do ano passado. O lucro líquido atingiu R$ 15 milhões, o que representa ampliação de 9,3% em comparação ao 1T14. 

A geração de caixa (EBITDA) da companhia foi de R$ 28,8 milhões, 23,6% acima do valor obtido no mesmo período de 2014.

A receita operacional bruta é fruto da combinação das receitas recorrente e de serviços. No 1T15, a receita recorrente atingiu R$ 95 milhões, com crescimento de 26,8% sobre o 1T14, e equivalente a 81,1% da receita bruta. 

Segundo a empresa, este resultado pode ser atribuído à continuidade da estratégia que combina aumento de faturamento nos atuais clientes e de comercialização das “ofertas cross”, vendas para novos clientes e consolidação dos resultados de aquisições passadas.

Entre os segmentos do varejo que continuam apresentando oportunidades crescentes de expansão do negócio, estão os de food service, farmácias e postos de combustível. 

“Neste primeiro trimestre, a Linx assinou contratos com alguns dos maiores varejistas do país, com projetos de grande porte e que deverão gerar receitas recorrentes importantes no futuro”, afirma Dennis Herszkowicz, CFO da Linx.

A receita de serviços no primeiro trimestre cresceu 27,9%, se comparado ao do período do ano anterior, e atingiu R$ 22,1 milhões. 

Em outubro de 2014, o BNDES aprovou a liberação de uma linha de crédito de R$ 102,8 milhões para a Linx. Os recursos foram liberados pelo Programa para Desenvolvimento da Indústria de Software e Serviços de Tecnologia da Informação.