Oi cresce em suporte de informática. Foto: flickr.com/photos/hostne

A Oi acaba de adquirir uma participação não detalhada na empresa Central de Funcionamento (CDF), especializada em serviços de suporte para microinformática e dispositivos eletrônicos com 800 mil clientes.

A carteira de contratos inclui, segundo divulgado pela CDF, as maiores redes de varejo e seguradoras do país.

“Com isso, garantimos serviços mais completos para clientes de banda larga e dados móveis”, afirma Pedro Ripper, diretor de Inovação e Novos Negócios da Oi.

Com a parceria, a Oi será responsável pelo canal de vendas e relacionamento comercial com os clientes, e a CDF, pela prestação do serviço de suporte.

Assim, ao contratar o serviço de suporte da Oi para computadores, TVs, tablets e smartphones, os clientes terão opção de atendimento remoto ou presencial por técnicos da companhia integrada.

De acordo com Ripper, a iniciativa faz parte de uma estratégia maior da companhia na área de atendimento, que iniciou no final do ano passado, quando a Oi passou a atuar também com lojas próprias.

“Estabelecemos um canal mais próximo e direto com os consumidores. Até o momento, são 79 lojas próprias no país e a previsão é chegar a 180 até o final do ano”, destaca o diretor.

A companhia lançou, também em 2011, o portal de relacionamento Minha Oi, onde os clientes podem acessar a conta, checar gráficos de consumo, monitorar ligações, entre outros.

O número de visitas no portal ultrapassou 20 milhões somente em abril e os usuários já conseguem gerenciar 6,6 milhões de produtos online.

A CDF oferece serviços de suporte ao usuário final, como instalação e uso de celulares, microcomputadores, equipamentos de informática, televisores e outros produtos eletroeletrônicos.

Já a Oi atua em transmissão de voz local e de longa distância, telefonia móvel, banda larga e TV por assinatura, contando com 70,8 milhões de Unidades Geradoras de Receitas (UGRs), conforme números de março de 2012.

Deste total, 44,1 milhões vêm do segmento móvel pessoal, 18,6 milhões do residencial e 8,1 milhões do corporativo.