A Avaya fechou um acordo com credores de 50% de sua dívida. Foto: Divulgação.

A Avaya, empresa que passa por um processo de falência nos Estados Unidos, fechou um acordo com credores de 50% de sua dívida. 

Com isso, a dívida do grupo será reduzida em US$ 3 bilhões. Os valores devidos a funcionários também foram revistos e devem ser garantidos pelo governo norte-americano.

“Estamos muito contentes com o acordo alcançado com os principais interessados no processo de reestruturação da nossa empresa, o Ad Hoc First Lien Group e o PBGC. Este é um marco importante e indica o progresso da Avaya no caminho para a nossa meta de emergir como uma empresa mais forte e mais competitiva”, diz Kevin Kennedy, presidente e CEO da Avaya.

No dia 23 de agosto, a empresa terá uma reunião com o restante dos credores, com o objetivo de obter consenso sobre o plano. 

A companhia afirma que, com o acordo, poderá deixar o Chapter 11, conjunto de leis dos Estados Unidos para empresas falimentares.

O pedido de recuperação judicial da Avaya nos Estados Unidos foi feito em janeiro de 2017. Na época, a companhia frisou que o processo não afetava as subsidiárias estrangeiras. 

A Avaya fechou o capital após ser comprada por US$ 8 bilhões pelos fundos de investimento Silver Lake e TPG em 2007. Dois anos depois, comprou a Nortel Enterprise Solutions por US$ 900 milhões.

As movimentações geraram uma dívida de longo prazo de cerca de US$ 6 bilhões.

Em 2016, a Avaya fechou o ano com vendas de US$ 3,7 bilhões, uma queda de 9% frente a 2015. O prejuízo cresceu 420% para US$ 750 milhões. A empresa tem alternado crescimento baixo ou quedas desde o fechamento de capital.