Rodrigo Barbosa, fundador da Digitalcomm. Foto: Divulgação.

A Digitalcomm firmou um acordo com a UOLDiveo para hospedar o DCLOGG, software de processamento de pagamento de fretes e pedágios, na plataforma OpenStack da empresa, que conta com tecnologia Intel.

O software em nuvem, até então, era hospedado com diferentes empresas a cada novo cliente conquistado. Agora, a companhia optou por consolidar suas operações em uma única nuvem, padronizando os contratos e simplificando seu gerenciamento.

A plataforma OpenStack do UOLDiveo permite que a Digitalcomm possa configurar sua nuvem dinamicamente e orientada a software, seja sob o ponto de vista de processamento, storage ou rede. 

Fundada em 2007, a Digitalcomm tem hoje três principais linhas de negócio: soluções SAP, soluções CA Technologies e soluções para o mercado de transportes e logística.

Neste último pilar, a Digitalcomm desenvolveu internamente o DCLOGG. 

“Com este produto, atendemos 9 das 10 maiores contratantes de frete do mercado nacional e movimentamos mensalmente mais de R$ 100 milhões em pagamentos de pedágio”, revela Rodrigo Barbosa, fundador da Digitalcomm.

O executivo lembra que O DCLOGG foi inicialmente desenvolvido para ser implementado on-premise nos clientes da companhia, mas o primeiro cliente logo indicou a preferência por ter acesso à solução como serviço. Para atendê-lo, a Digitalcomm contratou um provedor e, depois, a cada novo cliente, um novo contrato era estabelecido.

“Nos últimos quatro anos, acumulamos vários contratos com diferentes fornecedores em nuvem e isso foi se tornando complexo. Há um ano, decidimos consolidar nossas ofertas em um único fornecedor”, lembra. 

Inicialmente, a companhia avaliou a aquisição de uma infraestrutura para a realização de colocation, mas a ideia foi deixada de lado diante da possibilidade de se utilizar a plataforma OpenStack como serviço.

“As possibilidades de gerenciamento oferecidas foram o que mais nos chamou a atenção. A tecnologia nos permite usar recursos que vão muito além do desempenho das máquinas”, ressalta, citando como exemplo a possibilidade de criar redes privadas e subnets e de fazer o balanceamento de carga de seus servidores sem a necessidade de acionar o suporte.

Desde o fechamento do contrato, a Digitalcomm migrou três operações de clientes para a plataforma da UOLDiveo. A partir disso, a companhia prepara a mudança de seus demais clientes, que será feita à medida que vencerem os contratos com seus atuais fornecedores de nuvem. 

A nuvem OpenStack da Digitalcomm é formada hoje por oito servidores virtuais, baseados em processadores Intel Xeon. 

De acordo com Barbosa, acompanhando a estratégia de migrações, este número deve chegar a 20 máquinas até o final de 2017 e a 50 máquinas em 2018. 

Segundo ele, o crescimento da Digitalcomm não se dará somente por conta das migrações dos clientes da companhia. A partir do ano que vem, a companhia deve migrar também sua estrutura (sistema de gestão, sistema de abertura de chamados, e-mail) para a nuvem UOLDiveo.

Todo o processo de mudança para a nuvem baseada em OpenStack deve representar um investimento de US$ 150 mil nos próximos três anos, ao final dos quais toda a estrutura da empresa deverá estar na nova nuvem.

A escolha pela UOLDiveo foi impulsionada pela relação anterior já mantida há anos com a empresa a partir de um cliente comum.

“O UOLDiveo é uma empresa multicloud e dá uma visão agnóstica de qual nuvem é melhor para cada demanda dos clientes. No caso da Digitalcomm, a plataforma OpenStack atendia a todos os requisitos do cliente, por isso não tínhamos dúvida de que uma única nuvem era a solução que eles precisavam”, afirma Debora Bortolasi, diretora comercial do UOLDiveo.

Para a oferta de nuvens baseadas na plataforma OpenStack, a empresa conta com a parceria da Intel. Com isso, a companhia desenvolveu uma estrutura de nuvem baseada em OpenStack e com solução de storage desenvolvida sobre SSDs Intel e Ceph, solução de armazenamento definida por software.